• AALR3 R$ 20,20 -0.49
  • AAPL34 R$ 66,78 -0.79
  • ABCB4 R$ 16,69 -3.75
  • ABEV3 R$ 13,98 -1.13
  • AERI3 R$ 3,67 -0.81
  • AESB3 R$ 10,70 0.00
  • AGRO3 R$ 30,74 -0.32
  • ALPA4 R$ 20,46 -1.35
  • ALSO3 R$ 18,92 -0.94
  • ALUP11 R$ 26,83 0.86
  • AMAR3 R$ 2,41 -1.23
  • AMBP3 R$ 29,84 -2.29
  • AMER3 R$ 23,45 1.56
  • AMZO34 R$ 66,86 -0.09
  • ANIM3 R$ 5,36 -2.72
  • ARZZ3 R$ 81,01 -0.23
  • ASAI3 R$ 15,95 3.24
  • AZUL4 R$ 20,93 -1.46
  • B3SA3 R$ 12,13 2.71
  • BBAS3 R$ 37,15 4.06
  • AALR3 R$ 20,20 -0.49
  • AAPL34 R$ 66,78 -0.79
  • ABCB4 R$ 16,69 -3.75
  • ABEV3 R$ 13,98 -1.13
  • AERI3 R$ 3,67 -0.81
  • AESB3 R$ 10,70 0.00
  • AGRO3 R$ 30,74 -0.32
  • ALPA4 R$ 20,46 -1.35
  • ALSO3 R$ 18,92 -0.94
  • ALUP11 R$ 26,83 0.86
  • AMAR3 R$ 2,41 -1.23
  • AMBP3 R$ 29,84 -2.29
  • AMER3 R$ 23,45 1.56
  • AMZO34 R$ 66,86 -0.09
  • ANIM3 R$ 5,36 -2.72
  • ARZZ3 R$ 81,01 -0.23
  • ASAI3 R$ 15,95 3.24
  • AZUL4 R$ 20,93 -1.46
  • B3SA3 R$ 12,13 2.71
  • BBAS3 R$ 37,15 4.06
Abra sua conta no BTG

A degradação ambiental não interessa aos negócios

O desmatamento na Amazônia, na Mata Atlântica, no Cerrado e no Pantanal beneficia algumas poucas pessoas e prejudica muitas
Dia da Mata Atlântica: 27 de maio é o dia para lembrar da importância de preservar a floresta (Wikimedia Commons/Foto)
Dia da Mata Atlântica: 27 de maio é o dia para lembrar da importância de preservar a floresta (Wikimedia Commons/Foto)
Por OpiniãoPublicado em 27/05/2020 05:50 | Última atualização em 26/05/2020 17:34Tempo de Leitura: 3 min de leitura

O Brasil não se beneficia com o desmatamento na Amazônia, na Mata Atlântica, no Cerrado ou no Pantanal. Pouquíssimas pessoas se beneficiam disso e apostam na ineficiência do Estado em coibir a degradação e em estimular políticas públicas eficientes e capazes de dar respostas aos problemas atuais. Enquanto isso, uma grande parcela da sociedade, de empresas e cientistas busca desenvolver o país no campo socioambiental e, dessa forma, gerar melhor qualidade de vida, em um ambiente seguro para as atividades econômicas.

É preciso despertar no Brasil o interesse na conservação das florestas com o objetivo de utilizar a Amazônia, a Mata Atlântica e os demais biomas como prestadores de serviços ambientais estratégicos para nossa sociedade e para o mundo. Porém, até hoje nossos governantes não valorizaram esses patrimônios de forma adequada.

Em nossas mãos, está a condição perfeita para avançarmos na busca por soluções para uma economia de baixo carbono, respondendo aos anseios da sociedade por produções sustentáveis e produtos renováveis. Esse é um caminho seguro pelo qual devemos unir esforços para reconduzir o país pós pandemia. A natureza dos nossos negócios demanda conhecimento científico, parcerias e um marco regulatório ambiental que possibilite enfrentar os desafios relacionados à água, à energia e às mudanças climáticas.

As características ambientais do Brasil colocam o país em um patamar de alta competitividade e eficiência em produtos como a celulose, que demandam investimentos em pesquisa, posturas e práticas socioambientais corretas, com certificação que garanta a sua credibilidade. A Lei da Mata Atlântica possibilitou investimentos em programas nas unidades florestais das nossas empresas relacionadas à restauração de áreas degradadas e à proteção de remanescentes de vegetação nativa. E isso por meio de uma estratégia de conduta socioambiental que contribui para o combate dos efeitos das mudanças climáticas, com o plantio de eucalipto e preservação de áreas de mata nativa, que potencializam o sequestro e de carbono.

O braço de pesquisa da Suzano, a FuturaGene teve papel de destaque nessa conduta socioambiental, desenvolvendo espécies de eucalipto mais resistentes a pragas, mais produtivas e com menor necessidade de agroquímicos que impactam no meio ambiente. Em fazendas experimentais em São Paulo, temos no momento, em teste, árvores com uma proteína que possui efeito inseticida natural e que previne a infestação de alguns insetos.

O apoio a proteção de florestas e matas nativas em Unidades de Conservação públicas e privadas, envolve comunidades de entorno, gestores públicos, estimulam negócios e mostram como a implementação local das leis ambientais, por meio dos Planos Municipais da Mata Atlântica, é um modelo que pode e deve ser ampliado para os outros biomas brasileiros, de forma eficiente e pacífica.

Meio Ambiente, saúde, negócios e desenvolvimento caminham juntos. Apostamos nisso para hoje e para o futuro.