Candidato, o tema é sustentabilidade: o senhor tem mil minutos

Questões relacionadas ao desenvolvimento sustentável deveriam estar na primeira fila de prioridades de candidatas e candidatos em todo o país
Usina eólica: nas últimas eleições presidenciais, em 2018, boa parte dos candidatos nem sequer abordou as mudanças climáticas em seus programas (Divulgação/Ari Versiani/PAC/Agência Brasil)
Usina eólica: nas últimas eleições presidenciais, em 2018, boa parte dos candidatos nem sequer abordou as mudanças climáticas em seus programas (Divulgação/Ari Versiani/PAC/Agência Brasil)
Por Luis Henrique GuimarãesPublicado em 25/03/2022 17:27 | Última atualização em 25/03/2022 17:28Tempo de Leitura: 5 min de leitura

Por Luis Henrique Guimarães*

Num ambiente tão polarizado politicamente como o nosso, um triste cenário vem se repetindo a cada ano de eleições no Brasil: temas importantes para nosso país são deixados à margem do debate para dar lugar a intrigas, ataques e, muitas vezes, baixarias de todo tipo.

Um dos temas que mais sofrem com isso é o da sustentabilidade. Sofre mais porque sempre teve baixo apelo na corrida eleitoral e, na sociedade como um todo, apesar de conquistar cada vez mais urgência, ainda não atingiu o patamar de importância em que deveria estar. O resultado é que, quando a guerra começa no horário político, o tema praticamente inexiste.

Inscreva-se e participe do SuperAgro 2022, um evento EXAME que discute a relevância do agronegócio com players do mercado. Não fique de fora!

Nas últimas eleições presidenciais, em 2018, boa parte dos candidatos nem sequer abordou as mudanças climáticas em seus programas de governo.

Nas declarações sobre o assunto, alguns se mostravam mais preocupados com privatizações no setor elétrico do que com a necessidade de investimentos para a transição energética.

Já no mais recente pleito para prefeituras, em 2020, o termo “sustentabilidade” aparecia somente três vezes no programa do candidato vencedor na maior cidade do país, e nenhuma no plano do que ficou em segundo lugar – essa consulta é possível por meio da plataforma “Vota Aí”, desenvolvida por duas pesquisadoras da UERJ.

É uma pena que seja assim. Questões relacionadas ao desenvolvimento sustentável deveriam estar na primeira fila de prioridades de candidatas e candidatos a cargos executivos e legislativos em todo o país.

E por quê? Primeiro, por uma questão de sobrevivência. Já está mais do que alardeado pela ciência que um futuro minimamente palatável para humanidade depende disso, sobretudo no que diz respeito a mantermos o aquecimento global em no máximo 1,5 grau centígrado até o fim do século.

E há um outro motivo que diz respeito ao Brasil especificamente. Esta é a maior chance – e talvez a única – de o país se tornar uma grande potência e liderar a guinada verde da economia mundial. Perdoem-me os leitores por repetir isso sempre, mas só o faço porque é muito importante: peguem a matriz energética mais limpa do mundo, acrescentem a agricultura mais eficiente que existe, uma legislação ambiental rígida e moderna e a maior e mais rica em biodiversidade floresta do planeta, e vejam o que um país com visão de futuro é capaz de fazer.

O setor privado e a sociedade civil não podem perder esta oportunidade. Precisamos neste momento exigir o comprometimento e o empenho da classe política nesta agenda, propondo e implementando políticas públicas que, de um lado, deem o devido valor a tudo aquilo que Brasil tem de insuperável e, de outro, ajudem a corrigir nossos descompassos históricos.

Muita gente já está se mexendo. Em 2018, 170 entidades do agronegócio e de ONGs ambientais e do clima se uniram para lançar um documento com 28 propostas para os presidenciáveis. A coalizão reuniu organizações que muitas vezes têm divergências entre si, mas que encontraram uma pauta comum com capacidade de direcionar o Brasil a aumentar ainda mais sua produtividade agrícola, preservando os biomas e ajudando o resto do mundo a mitigar as mudanças climáticas.

Entre as propostas havia mudanças na matriz energética, ações para atrair investimentos nacionais e internacionais e inventivos para o desenvolvimento da agricultura de baixo carbono e recuperação florestal em áreas degradadas.

No ano passado, presidentes de 105 grandes empresas – eu entre eles – e 10 entidades setoriais assinaram o Manifesto Empresários pelo Clima, que foi entregue ao governo brasileiro e levado à COP26, a conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas que ocorreu em novembro último.

No manifesto, o setor produtivo brasileiro dizia que acredita na retomada verde e que o Brasil tem todas as condições para uma rápida transição para o baixo carbono, devendo para isso aperfeiçoar seu arcabouço político-regulatório que apoie essa trajetória.

Importante lembrar que em junho próximo completam-se 30 anos da Rio-92, a histórica conferência da ONU que reuniu 178 chefes de governo no Brasil para discutir os desafios socioambientais do mundo. O documento mais importante lá produzido, a Agenda 21, estabeleceu para nosso país os desafios da inclusão social e do desenvolvimento sustentável, áreas em que ainda temos muito a progredir e, repito, condições de liderar o contexto global se dermos a elas a urgência que precisam.

Portanto vou terminar este artigo com um apelo: senhora candidata e senhor candidato, vamos falar de sustentabilidade?

*Luis Henrique Guimarães é presidente da Cosan.