• AALR3 R$ 19,60 -1.01
  • AAPL34 R$ 74,36 1.72
  • ABCB4 R$ 16,43 1.36
  • ABEV3 R$ 14,53 0.35
  • AERI3 R$ 3,81 -1.04
  • AESB3 R$ 10,67 -1.11
  • AGRO3 R$ 32,37 2.76
  • ALPA4 R$ 21,90 -0.82
  • ALSO3 R$ 19,62 0.26
  • ALUP11 R$ 26,19 0.42
  • AMAR3 R$ 2,23 3.24
  • AMBP3 R$ 29,72 4.54
  • AMER3 R$ 23,04 1.63
  • AMZO34 R$ 72,52 3.90
  • ANIM3 R$ 5,38 7.60
  • ARZZ3 R$ 82,03 2.08
  • ASAI3 R$ 15,52 1.84
  • AZUL4 R$ 20,75 11.02
  • B3SA3 R$ 11,44 -3.87
  • BBAS3 R$ 35,10 -0.17
Abra sua conta no BTG

Transferência de políticas públicas: o caso do urbanismo social

Analisar um caso pode trazer aprendizados valiosos seja para reproduzi-los ou para evitar lições negativas
Recife: a cidade possui uma estratégia focada em um único equipamento público que congrega vários serviços para as comunidades locais. (Getty Images/Foto)
Recife: a cidade possui uma estratégia focada em um único equipamento público que congrega vários serviços para as comunidades locais. (Getty Images/Foto)
Por Impacto SocialPublicado em 16/09/2021 10:00 | Última atualização em 10/09/2021 10:28Tempo de Leitura: 3 min de leitura

Por Ana Leticia Salla

Anteriormente discuti sobre a transferência de políticas públicas para contextos diversos e sobre desafios que se apresentam para políticos, formuladores e gestores públicos para a transferência dessas políticas. Hoje trago o exemplo de como se deu a transferência de uma política de urbanismo social* entre Medellín, Colômbia (que criou a estratégia de urbanismo social e tornou-se referência em transformações físicas e sociais no território urbano), e Recife (que desenvolveu o projeto Compaz – um equipamento público, inspirado em Medellín).

Ao comparar as duas intervenções, algumas diferenças se destacam. As estratégias de territorialização diferem quanto ao seu escopo: Medellín traz uma estratégia mais abrangente, coordenada por agência especializada e apresenta diversos equipamentos públicos em diferentes territórios. Já Recife possui uma estratégia focada em um único equipamento público que congrega vários serviços para as comunidades locais. Elas também divergem quanto à capacidade de investimento, Medellín com alta capacidade de investimento público e Recife com investimento público limitado.

Essas e outras diferenças foram influenciadas por elementos da política considerados de mais difícil replicação, não pelo processo da transferência em si, mas devido a certas características da estratégia original que foram moldadas para a realidade de Medellín e que não necessariamente estão presentes em Recife. A complexidade da política (quando há muitas variáveis a serem consideradas na transferência) ou viabilidade estrutural institucional (se há capacidade institucional local para replicar o que é observado) são fatores que pesam na hora de executar essa replicação.

Neste caso, observamos que alguns desafios foram mitigados pela forma com que a transferência foi conduzida (com trocas constantes e boa qualidade da interação entre atores envolvidos no processo) e pela proximidade e conhecimento da realidade local. O que vale destacar é que, diante dos desafios, Recife conseguiu “emprestar” pontos da política de urbanismo social de Medellín e adaptá-los à realidade da cidade e às possibilidades territoriais, institucionais e orçamentárias locais. Não houve um “copia e cola” da política, mas sim uma referência que guiou o desenho da política e seus ideais norteadores, permitindo uma nova leitura da estratégia de urbanismo social que fosse viável ao contexto do Recife.

*O urbanismo social – é uma estratégia de intervenção no tecido urbano que associa políticas públicas, planejamento urbano e design por meio de um processo de exercício cidadão e participativo desenvolvida em Medellín. Seu objetivo é regenerar espaços físicos e dinâmicas sociais da cidade ao promover melhorias na infraestrutura urbana, especialmente em áreas de alta vulnerabilidade social.

Ana Leticia Salla é pesquisadora e Mestre pelo Mestrado Profissional em Políticas Públicas pelo Insper (2021).