Mapeamento aponta onde estão as mulheres no ecossistema da construção civil

Levantamento realizado pela startup Hoff Analytics identifica onde estão as mulheres e quais áreas se destacam pela força de trabalho feminina
Construção civil: dentre as 8.030 empresas prestadoras de serviço de arquitetura com faturamento superior a R$ 5 milhões, 60% possuem mulheres na liderança (ARQUIVO/DIVULGAÇÃO/Divulgação)
Construção civil: dentre as 8.030 empresas prestadoras de serviço de arquitetura com faturamento superior a R$ 5 milhões, 60% possuem mulheres na liderança (ARQUIVO/DIVULGAÇÃO/Divulgação)
G
Genoma ImobiliárioPublicado em 26/10/2022 às 07:40.

*Elisa Rosenthal

O setor da construção civil representa 7% do PIB brasileiro e, além de ser um termômetro do crescimento econômico e geração de emprego, também é importante responsável pelo impacto ambiental e social. Neste contexto, a pauta do ESG (governança Socioambiental) ganha espaço, cada vez mais, e reforça a importância da temática da equidade de gênero neste ecossistema.

A Hoff é uma empresa de Big Data Analytics que minera e qualifica dados do setor da construção no Brasil e, junto com o Instituto Mulheres do Imobiliário, o primeiro grupo feminino do setor imobiliário preocupado com a equidade de gênero em toda a cadeia produtiva, buscaram entender onde as mulheres se destacam e comprovam: empresas com maior presença feminina são mais lucrativas.

Dentre as 8.030 empresas prestadoras de serviço de arquitetura com faturamento superior a R$ 5 milhões, 60% possuem mulheres na liderança, ratificando o levantamento da Organização Internacional do Trabalho (OIT), que aponta que empresas com mulheres em postos de liderança têm 20% melhor desempenho nos negócios.

Das 83.666 empresas voltadas à construção de edifícios com faturamento também superior a R $5 milhões, 46% possuem a presença feminina no comando. No ramo de obras e terraplenagem, 39% (total de 5.176) e quando somamos empresas que atuam com outros serviços de engenharia (18.451) o total sobe para 56%.

Tipo de Serviço F +5 milhões (H) F +5 milhões (M) Faturam + 5 milhões % F Mulher
Serviços de Arquitetura 3211 4819 8030 60%
Construção de Edifícios 44823 38843 83666 46%
Obras Terraplanagem 3164 2012 5176 39%
Outros Serviços de Engenharia 8033 10418 18451 56%

Este mapeamento acontece no mesmo momento que o Instituto Mulheres do Imobiliário em parceria com a Concreto Rosa, liderada pela sua CEO Geisa Garibaldi (Rio de Janeiro) e conselheira do Instituto, concluíram a primeira oficina de capacitação de mão de obra com enfoque na inserção de mais mulheres na construção civil.

Alunas da oficina de capacitação realizada em Mogi das Cruzes - São Paulo

(Concreto Rosa/Divulgação/Divulgação)

O levantamento foi conduzido por Janaine Nascimento, CEO da Hoff Analytics e Elisa Rosenthal, diretora presidente do IMI, que analisa esta ação como um importante reforço ao setor para a capacitação de mais mulheres em toda a cadeia produtiva do imobiliário.

Sobre os dados apurados, com a associação de inteligência artificial e análise avançada, a Hoff, que por meio de sua plataforma busca por construtoras com obras, mapeamento de concorrência, estudo de mercado e previsão de consumo, ressaltou quais são as áreas onde as mulheres vêm se destacando.

"É muito importante realizar esse mapeamento e destacar a importância das mulheres no ecossistema da construção civil, pois, como CEO de construtec, por muitas vezes sou a única mulher participando de reuniões e encontros voltados para o mercado da construção civil" reforça Janaine.

Se no volume total da mão de obra ainda estamos sub representadas (pouco mais de 10%), na atuação como vidraceira já consolidamos mais de 32% de representatividade, seguidas por serralheria (22%), chaveira (20%), jardineira (18%) e paisagismo (18%).

Tipo de Profissional Autônomo Total Homem Mulher % de Mulher
Vidraceiro 13674 9281 4393 32%
Serralheiro 17752 13887 3865 22%
Chaveiro 14933 12015 2918 20%
Jardineiro 37352 30477 6875 18%
Paisagista 60390 49519 10871 18%

O mapeamento que apurou dados em todas as regiões brasileiras, assume ainda mais importância quando mensuramos os indicadores de qualidade, especialmente na fase de acabamentos e entrega de unidades, por exemplo.

Cecília Cavazani, CEO da Cavazani, membro do conselho consultivo do IMI e do Think Tank Amazonita Clube descreve que a sua área de manutenção é hoje conduzida exclusivamente por mulheres "detalhistas e com linguagem de comunicação não violenta". 

Além do perfil de mão de obra feminina diminuir o percentual de retrabalho, os indicadores de satisfação reproduzem, na prática, os ganhos com um canteiro com mais equidade:

"Medimos a satisfação do cliente por um questionário simples, nosso índice de aprovação é de 56% de clientes satisfeitos, 39% de muito satisfeitos e 5% insatisfeitos (geralmente os que têm a manutenção negada ou o vício foi causado por mau uso). Acredito que a cultura de excelência no atendimento atinge nossos colaboradores independente do gênero, mas acredito também que para nossas clientes abrir a porta para uma outra mulher é mais confortável".

Associar a leitura e análise de dados do setor com o entendimento do impacto em qualidade, lucratividade e responsabilidade social é o intuito destas ações, que de forma coordenada evidenciam que este é um momento de oportunidades para quem quer investir na construção de um setor mais inclusivo e plural.