• AALR3 R$ 20,15 -0.74
  • AAPL34 R$ 67,35 -0.01
  • ABCB4 R$ 16,54 -0.66
  • ABEV3 R$ 14,00 -0.92
  • AERI3 R$ 3,57 -1.11
  • AESB3 R$ 10,86 2.26
  • AGRO3 R$ 30,93 -0.58
  • ALPA4 R$ 21,43 2.88
  • ALSO3 R$ 19,02 0.05
  • ALUP11 R$ 27,10 -0.77
  • AMAR3 R$ 2,52 5.00
  • AMBP3 R$ 31,00 2.31
  • AMER3 R$ 21,89 -4.33
  • AMZO34 R$ 65,21 2.26
  • ANIM3 R$ 5,47 2.05
  • ARZZ3 R$ 79,20 -0.75
  • ASAI3 R$ 15,65 -1.57
  • AZUL4 R$ 20,07 -3.00
  • B3SA3 R$ 11,89 -1.08
  • BBAS3 R$ 37,43 -0.98
  • AALR3 R$ 20,15 -0.74
  • AAPL34 R$ 67,35 -0.01
  • ABCB4 R$ 16,54 -0.66
  • ABEV3 R$ 14,00 -0.92
  • AERI3 R$ 3,57 -1.11
  • AESB3 R$ 10,86 2.26
  • AGRO3 R$ 30,93 -0.58
  • ALPA4 R$ 21,43 2.88
  • ALSO3 R$ 19,02 0.05
  • ALUP11 R$ 27,10 -0.77
  • AMAR3 R$ 2,52 5.00
  • AMBP3 R$ 31,00 2.31
  • AMER3 R$ 21,89 -4.33
  • AMZO34 R$ 65,21 2.26
  • ANIM3 R$ 5,47 2.05
  • ARZZ3 R$ 79,20 -0.75
  • ASAI3 R$ 15,65 -1.57
  • AZUL4 R$ 20,07 -3.00
  • B3SA3 R$ 11,89 -1.08
  • BBAS3 R$ 37,43 -0.98
Abra sua conta no BTG

Red Bull foca em estratégia ‘always on’ para estreitar laço com gamers

Dona de torneios inéditos, parceira da FURIA e criando até ativações com a Neymar Jr., marca quer se manter no ‘Top of mind’ do público jovem
 (Divulgação/Red Bull)
(Divulgação/Red Bull)
Por Esporte ExecutivoPublicado em 29/10/2021 07:38 | Última atualização em 28/10/2021 13:49Tempo de Leitura: 4 min de leitura

Com um mercado avaliado em cerca de US$160 bilhões e maior do que as indústrias de cinema e música juntas, segundo a TechNET Immersive, os games atraem a atenção de marcas que buscam se conectar, especialmente com os jovens. Nesse ambiente competitivo, que exige diferenciação, inovação e experiências exclusivas, a Red Bull deu um grande passo para se manter na liderança da categoria em 2021 com uma estratégia perene e 360º com os gamers, especialmente amadores.

Em novembro, a marca, que é a mais conhecida (91,4%) e consumida (63,8%) pelos gamers dentro da categoria de energéticos, de acordo com a Pesquisa Game Brasil 2021, entrega o último grande evento do ano: o Red Bull Solo Q, maior torneio de LoL x1 aos amadores do mundo, que chega à 8ª edição e conta com mais de milhares de inscritos no País. No evento, aliás, o participante tem ambiente similar ao de um pro-player: visibilidade por meio transmissão ao vivo a todo País, presença de casters oficiais e ícones do game, assim como o cenário. Desta competição internacional, aliás, três participantes brasileiros, em temporadas anteriores, ganharam visibilidade e se tornaram profissionais.

Essa aura semelhante à dos profissionais é um dos pilares estratégicos, pois a marca consegue oferecer experiências exclusivas e torná-los verdadeiros ‘heróis’. Em maio, ela trouxe ao País o Red Bull Flick, torneio inédito de CS:GO, com mapas feitos sob medida e apenas para esse evento. Além dessa singularidade, os amadores ainda puderam treinar e pegar dicas com as line ups feminina e masculina da FURIA, sendo alguns jogadores entre os Top 20 do mundo, algo raro e desejado por milhões de fãs do game.

Em outra frente, a Red Bull continua inovando nos formatos. No projeto ‘Desafios Extreaming’, a marca colocou pro-players e streamers famosos em gameplays inusitadas. Na ocasião, até o campeão olímpico Claudinho e ex-atleta do Red Bull Bragantino participou. Para acompanhar, o público poderia se inscrever e ganhar latas de Energy Drink em suas residências. Aliás, até Neymar Jr entrou nessa. O craque do PSG e da Seleção Brasileira, ao lado do americano Ninja - um dos mais influentes streamers do mundo -, do brasileiro Flakes Power, entre outros, jogou um mapa exclusivo de Fortnite, com transmissão ao vivo e bate-papo com os fãs.

A marca também se mostra ágil em relação ao mercado. Lançado há pouco mais de um ano, Valorant já tem dois grandes eventos proprietários da marca: Campus Clutch, primeiro torneio mundial do game aos universitários, cujo início ocorreu em janeiro, e teve mais de 25 mil jovens inscritos no mundo (o time campeão internacional, aliás, faturou 20 mil euros - mais de R$120 mil em cotação à época) e, em novembro, a empresa realiza o Red Bull Home Ground, voltado aos profissionais e com a presença das 16 melhores equipes do mundo. O prêmio? Cerca de R$600 mil.

De eventos, passando por apoios a atletas até criação de conteúdo

Em 2021, a empresa fabricante de energéticos já realizou mais de 50 eventos (equivalente a mais de um por semana) aos gamers no mundo, assim como apoia mais de 60 atletas e times no planeta. Em dezembro de 2020, assinou com a T1, equipe do astro ‘Faker’, e disponibilizou o seu Centro de Alto Rendimento, localizado na Áustria e nos EUA e utilizado por ícones do esporte como Max Verstappen e Leticia Bufoni, para que a agremiação se desenvolvesse. Um mês depois, foi a vez da FURIA ser a primeira equipe brasileira a estampar a marca no uniforme. Vale lembrar que a empresa atua desde 2006 no setor.

No Brasil, os dois principais atletas são YoDa, streamer com mais de 2,2 milhões de inscritos em seu canal na Twitch, e João ‘Flakes Power’ Sampaio, content creator com mais de 6 milhões de inscritos em seu canal no Youtube. Aliás, este até promoveu uma gameplay com Neymar Jr e outros ícones de Fortnite neste ano.

Maior país em receita de jogos eletrônicos na América Latina e 12º mundo, o Brasil prevê movimentar mais de US $2 bilhões neste mercado em 2021, segundo a Newzoo. Logo, não só em competições proprietárias e patrocínios, mas, a atuação da Red Bull também se expandiu à geração de entretenimento (por meio de lançamentos de séries e filmes na Red Bull TV, além de desafios com streamers e pro-players da FURIA) e até edições limitadas de produtos, realizadas em 2019 e 2020, quando Campeões de LoL estamparam as latas oficiais do energy drink no Brasil, fato antes restrito a personalidades como Neymar Jr e os campeões olímpicos Alison Cerutti e Bruno Schmidt.