Vaticano terá meteorito de Marte em exposição de astronomia

Exposição na cidade de Pisa, na Itália, também terá materiais da Lua e equipamentos de astronomia do século XVII
'Se quiser ver Marte, vai a Pisa' resumiu um dos responsáveis pela exposição (NASA-JPL / Caltech)
'Se quiser ver Marte, vai a Pisa' resumiu um dos responsáveis pela exposição (NASA-JPL / Caltech)
D
Da RedaçãoPublicado em 15/02/2013 às 13:18.

Cidade do Vaticano - Um meteorito proveniente de Marte, minerais trazidos da Lua, telescópios do século XIX e astrolábios do século XVII formam a exposição 'Histórias do outro mundo. O Universo dentro e fora de nós', que será inaugurada em Pisa, norte da Itália, a partir do dia 10 de março.

A exposição, apresentada nesta quinta-feira no Vaticano, foi organizada pela Specola Vaticana, o Observatório Astronômico do Vaticano, e pelo Instituto Nacional de Física Nuclear Italiano. A mostra será apresentada no Palacio Blu, em Pisa, a cidade toscana onde nasceu Galileu Galilei.

'Se quiser ver Marte, vai a Pisa', afirmou nesta quinta-feira o jesuíta José Gabriel Funes, diretor da Specola Vaticana, que assegurou que a mostra busca contar a história do Universo, desde as partículas que formam os átomos do corpo até as distantes galáxias.

Segundo o astrônomo, os destaques da exposição passam por um meteorito encontrado no Egito, que supostamente provém de Marte, assim como outros provenientes da Lua e outros materiais vindos do espaço.

Funes também contou que o papa Bento XVI já viu o meteorito quando visitou a sede da Specola, situada nos arredores de Castel Gandolfo, um município a cerca de 30 quilômetros ao sul de Roma.

'Nem mesmo o papa pôde tocá-lo diretamente no meteriorito, já que o mesmo teve que usar um lenço', disse.

Segundo Funes, a exposição será realizada em Pisa pelo fato da cidade ser a terra natal de Galileu e também do cardeal Pietro Maffi, um apaixonado pela astronomia e principal responsável pela renovação do observatório. Maffi foi nomeado presidente da Specola pelo papa Pio X em 1904.

A exposição, que ficará aberta de 10 de março até 1º de julho, 'conduzirá o visitante por uma interessante viagem pelo nosso sistema solar', como descreve Cosimo Bracci Torsi, presidente da Fundação Palacio Blu.