Vacina da AstraZeneca e Oxford é eficaz contra variante de Manaus, aponta estudo interno

Análise ainda não foi divulgada e informação foi obtida pela agência Reuters com uma fonte

Dados preliminares de um estudo feito internamente pela Universidade de Oxford e pela farmacêutica AstraZeneca indicam que a vacina contra covid-19 desenvolvida por elas induz resposta adequada contra a variante de Manaus do coronavírus.

O estudo ainda não foi publicado e a informação foi obtida pela agência Reuters nesta sexta-feira, 5, com uma fonte que tem conhecimento sobre o assunto.

De acordo com essa fonte, os dados preliminares do estudo, feito após envio de amostras pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), indicam, até o momento, que não será necessário fazer adaptações à vacina para que ela proteja contra a variante de Manaus, conhecida como P1, e que tem se mostrado mais transmissível que cepas anteriores do coronavírus.

"Os resultados preliminares são bem adequados para a P1. Indicativo que não necessita (de adaptação)", disse a fonte, que pediu para falar sob anonimato, acrescentando que os resultados definitivos do estudo devem sair "muito em breve", possivelmente ainda no mês de março.

A variante do coronavírus originada em Manaus vem sendo apontada como um dos fatores que levaram ao recrudescimento da pandemia de covid-19 no Brasil. A doença já matou mais de 260 mil pessoas no país.

A Fiocruz firmou parceria com a AstraZeneca para o envase e futura produção integral da vacina contra Covid-19 no Brasil. Até o momento, 4 milhões de doses da vacina importadas prontas da Índia estão sendo aplicadas no Programa Nacional de Imunização (PNI) do Ministério da Saúde.

A expectativa da Fiocruz é que as primeiras doses da vacina envasadas no Brasil sejam entregues ao Ministério da Saúde a partir de meados deste mês.

Procurada pela Reuters, a Fiocruz informou que não tem informações no momento sobre o estudo, que é liderado pela AstraZeneca e a Universidade de Oxford.. A AstraZeneca e a Universidade de Oxford não responderam de imediato a um pedido de comentário.

Eficácia da Vacina da Astrazeneca

A vacina contra Covid-19 desenvolvida pela Universidade de Oxford e pela AstraZeneca tem 76% de eficácia contra infecções sintomáticas durante três meses após uma única dose, e a eficácia aumenta quando uma segunda é dada mais tarde, mostrou um outro estudo. A análise, publicada em fevereiro, descobriu que a vacina era 81% eficaz com um intervalo de três meses entre as duas doses.

Desde que AstraZeneca e Oxford anunciaram seus primeiros resultados no ano passado, os dados sobre a eficácia da vacina na prevenção da infecção sintomática variaram de 60% a 90% por causa das diferentes quantidades de dosagem e protocolos nos ensaios.

Com informações da Reuters

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.