Usar anticoncepcionais é mal menor diante de zika, diz Papa

Papa Francisco opinou que "evitar a gravidez não é um mal absoluto" em casos como o surto atual de zika e o que ele representa para as grávidas

	Papa Francisco: "O aborto não é um mal menor: é um crime. É jogar fora um para salvar outro. É o que faz a máfia", disse o pontífice
 (Stefano Rellandini/Files/Reuters)
Papa Francisco: "O aborto não é um mal menor: é um crime. É jogar fora um para salvar outro. É o que faz a máfia", disse o pontífice (Stefano Rellandini/Files/Reuters)
D
Da RedaçãoPublicado em 18/02/2016 às 14:45.

O papa Francisco se referiu à possibilidade de usar métodos anticoncepcionais como um "mal menor" diante do risco que o zika vírus representa para as grávidas.

Em declarações aos jornalistas que o acompanharam no avião que lhe levou do México a Roma, o pontífice acrescentou que "o aborto não é um mal menor: é um crime. É jogar fora um para salvar outro. É o que faz a máfia".

Francisco deixou aberta a possibilidade de usar esses métodos ao lembrar que o papa "Paulo VI em uma situação difícil na África (a guerra no Congo belga) permitiu que as freiras usassem anticoncepcionais para casos nos quais foram violentadas", explicou.

"O aborto não é um problema teológico: é um problema humano, é um problema médico. Se assassina uma pessoa para salvar outra no melhor dos casos. Vai contra o juramento hipocrático que os médicos devem fazer", acrescentou.

Por outro lado, o papa opinou que "evitar a gravidez não é um mal absoluto", pois "em certos casos, como neste, como no de Paulo VI, era claro".

Francisco fez ainda um pedido "aos médicos para que façam de tudo para encontrar as vacinas contra estes mosquitos que transmitem esta doença".