Tudo pronto para Artemis 1 iniciar viagem à Lua

Voo que lança os EUA de volta ao satélite natural da Terra ocorre na segunda-feira, 29
O foguete Artemis 1: volta à Lua 50 anos após a última missão Apollo (Lucie AUBOURG/AFP)
O foguete Artemis 1: volta à Lua 50 anos após a última missão Apollo (Lucie AUBOURG/AFP)
A
AFP

Publicado em 24/08/2022 às 12:10.

Última atualização em 24/08/2022 às 13:11.

Cinquenta anos após a última missão Apollo, o programa Artemis deve assumir a exploração lunar com um lançamento de teste na segunda-feira, 29, do foguete mais poderoso da história da Nasa. 

O objetivo é levar seres humanos de volta à Lua após a missão Apollo de 1972 e, eventualmente, à Marte.

O foguete de 98 metros do Sistema de Lançamento Espacial (SLS) está programado para decolar às 8h33 (9h33 de Brasília) do Centro Espacial Kennedy (KSC) na Flórida.

A missão, planejada há mais de uma década, não é tripulada, mas altamente simbólica para a Nasa, dada a pressão da China e de concorrentes privados como a SpaceX.

Os hotéis ao redor de Cabo Canaveral estão lotados e entre 100 mil e 200 mil espectadores são esperados para o lançamento.

O enorme foguete laranja e branco está estacionado no Complexo de Lançamento 39B do KSC há uma semana.

"Desde que foi posicionado na plataforma na semana passada, você pode sentir a emoção, a energia", diz Janet Petro, diretora do KSC.

O objetivo do voo, batizado de Artemis 1, é testar o sistema SLS e a cápsula da tripulação Orion localizada no nariz do foguete.

Bonecos equipados com sensores tomarão os lugares dos membros da tripulação e registrarão os níveis de aceleração, vibração e radiação.

Além disso, câmeras irão capturar todos os momentos da jornada de 42 dias e uma "selfie" da espaçonave será feita com a Lua e a Terra ao fundo.

Amerissagem no Pacífico

A cápsula Orion orbitará a Lua e chegará a cerca de 100 km no máximo e, em seguida, acionará seus motores para atingir uma distância de 64 mil km, um recorde para uma aeronave feita para transportar humanos.

Um dos principais objetivos da missão é testar o escudo térmico da cápsula, que com quase 5 metros de diâmetro é o maior já construído.

Em seu retorno à atmosfera da Terra, o escudo térmico deve suportar uma velocidade de mais de 40 mil quilômetros por hora e uma temperatura de 2.760 graus Celsius.

Orion, cuja descida será contida por paraquedas, terminará sua jornada com um mergulho na costa de San Diego, no Pacífico.

A decolagem na segunda-feira dependerá do clima, que pode ser imprevisível na Flórida nesta época do ano. Por essa razão, a Nasa tem uma janela de lançamento de 2 horas.

Se o foguete não puder decolar na segunda-feira, datas alternativas estão planejadas para 2 ou 5 de setembro.

Tudo está pronto. A Nasa autorizou a missão na terça-feira, após uma inspeção detalhada.

Isso não significa que problemas poderão acontecer.

"Risco inerente"

"Estamos fazendo algo que é incrivelmente difícil de fazer, e com isso vem o risco inerente", disse Mike Sarafin, gerente da missão Artemis 1.

Por se tratar de um voo não tripulado, Sarafin diz que a missão terá condições que não seriam adequadas para viagens com astronautas.

"Se não falharmos com os painéis solares, vamos continuar, e isso é algo que não necessariamente faríamos em uma missão tripulada", explicou.

Um fracasso geral da missão seria devastador para o programa que custa US$ 4,1 bilhões para ser lançado e já está atrasado.

A próxima missão, Artemis 2, levará astronautas a orbitar a Lua sem pisar em sua superfície.

A tripulação do Artemis 3 deverá pousar na Lua o mais tardar em 2025.

Enquanto os astronautas da Apollo que caminharam na Lua eram apenas homens, o programa Artemis planeja incluir a primeira mulher e a primeira pessoa negra.

E considerando que os humanos já visitaram a Lua, Artemis está de olho em outro objetivo: enviar uma tripulação a Marte.

O programa Artemis visa estabelecer uma presença humana permanente na Lua com uma estação espacial conhecida como Gateway e com base na superfície lunar.

A Gateway serviria como uma estação de preparação e reabastecimento para a viagem a Marte, que levaria no mínimo meses.

"Acho que será ainda mais inspirador do que Apollo", diz o ex-astronauta e administrador associado da Nasa Bob Cabana da missão Artemis. "Será absolutamente impressionante", completa.

LEIA TAMBÉM