Teorias da conspiração prejudicam projeto de acordo global para prevenir pandemias

Dado o fato de que o mundo estava despreparado quando a covid-19 surgiu, os especialistas afirmam que é necessária uma cooperação global para evitar situações semelhantes no futuro
Instituto de Virologia e para o Centro de Controle de Doenças (CDC) de Wuhan, na China: teoria conspiratória afirma que o vírus da covid-19 foi criado intencionalmente (AFP/AFP)
Instituto de Virologia e para o Centro de Controle de Doenças (CDC) de Wuhan, na China: teoria conspiratória afirma que o vírus da covid-19 foi criado intencionalmente (AFP/AFP)
Por AFPPublicado em 08/06/2022 09:56 | Última atualização em 08/06/2022 09:56Tempo de Leitura: 4 min de leitura

Os trabalhos para um acordo global que ajude a prevenir futuras pandemias são ofuscados por teorias da conspiração que alegam que o pacto é uma manobra da Organização Mundial da Saúde (OMS) para reforçar seu poder.

Autoridades de saúde de todo o mundo se reúnem em Genebra esta semana para discutir um acordo que deveria regulamentar como os países se preparam e respondem a futuras pandemias.

Assine a EXAME e fique por dentro das principais notícias do Brasil e do mundo. Tudo por menos de R$ 0,37/dia

É amplamente aceito que o mundo estava despreparado quando a covid-19 surgiu, com consequências desastrosas, e os especialistas afirmam que é necessária uma cooperação global para evitar situações semelhantes no futuro.

"Podemos enfrentar pandemias mais graves no futuro e temos que estar muito melhor preparados do que estamos agora", declarou recentemente o diretor de emergências da OMS, Michael Ryan.

"Isto exigirá que os países trabalhem juntos", acrescentou.

Até o momento, no entanto, não está claro em que consistirá um potencial acordo.

As negociações deveriam durar pelo menos dois anos e ainda precisam se aprofundar no conteúdo ou determinar se o acordo terá a forma de um tratado ou outro tipo de "instrumento jurídico".

"Infodemia"

Embora sejam os países membros, e não a OMS, que participem nas negociações, surgiram teorias da conspiração que consideram que a agência de saúde da ONU quer ditar as políticas de saúde em países soberanos.

O apresentador do canal conservador americano Fox News Tucker Carlson advertiu no mês passado que o governo do presidente Joe Biden estava perto de "entregar à OMS poder sobre todos os aspectos, inclusive aspectos da vida íntima".

Christine Anderson, uma deputada de extrema-direita alemã no Parlamento Europeu, declarou que o acordo garantiria à OMS "poder de governo de fato sobre os Estados membros".

E o comediante britânico Russel Brand, que virou uma estrela no YouTube, afirmou a seus 5,5 milhões de seguidores que o tratado significa que "o fim da democracia".

A OMS e especialistas afirmam que as teorias da conspiração, que também foram registradas na Austrália, Rússia e outros países, não têm nenhuma relação com o que está sendo discutido.

"Estou francamente desconcertada com o nível de desinformação", declarou à AFP Suerie Moon, codiretora do Global Health Center de Genebra, antes de destacar que o acordo "está realmente em uma fase embrionária".

Muitas acusações estão "completamente desconectadas da realidade do que está sendo proposto e potencialmente negociando", acrescenta.

O diretor geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, lamentou recentemente que "uma pequena minoria de grupos faça declarações enganosas e distorça fatos de propósito", ressaltando que "a agenda da OMS é pública, aberta e transparente".

O projeto de acordo estabelece apenas o "manual de como vamos nos preparar juntos" para futuras ameaças de pandemia, disse Ryan. "Não se trata de soberania, e sim de responsabilidade", reiterou.

Mas a mensagem é divulgada entre o ruído da desinformação.

A OMS está habituada a ser alvo das teorias da conspiração e já chegou a usar a palavra "infodemia" diante do elevado nível de desinformação sobre suas tentativas de conter o coronavírus e promover as vacinas anticovid.

No caso do acordo para frear as pandemias, os analistas acreditam que existe uma campanha de desinformação bem articulada em vários países, mas não conseguem determinar o objetivo exato ou seus responsáveis.

"Gatilho"

Apenas a sigla OMS "é como um gatilho", afirma Tristan Mendes France, estudioso das teorias da conspiração na França, apontando que é fácil "reativar" o grande "público conspiratório que cresceu durante a covid".

Sebastian Diegues, neurocientista e especialista em desinformação na Universidade de Fribourg (Suíça), concorda: "Quando você tem uma rede sólida para um tema, pode usar para outras coisas.

Até as teorias mais malucas podem impactar negativamente os esforços para solucionar problemas reais, como a preparação para a próxima pandemia.

"Mesmo que parte disso seja absurdo, você tem que administrar, tem que explicar, e isso reduz seus recursos", afirma Diegues.

Suerie Moon reconhece que "há limites para o que a OMS pode fazer". Ela destaca a desinformação acelerada e a desconfiança do público nas autoridades "nesta época de pós-verdade, onde as pessoas vivem em universos de informações diferentes".

"A OMS pode mudar isto? Alguém pode", questiona.