Roche cria kit para ajudar a detectar coronavírus

Empresa de farmacêuticos suíça desenvolve teste que consegue identificar a presença de coronavírus pela saliva

São Paulo - A Roche, empresa de produtos médicos e farmacêuticos, desenvolveu um kit capaz de detectar rapidamente se o paciente foi infectado com o coronavírus, vírus que teve origem na China e chegou em outros países, como Estados Unidos e França, neste mês. O conjunto, que foi lançado no Brasil nesta quarta-feira, 20, é chamado de LightMix Modular e será utilizado apenas por pesquisadores e laboratórios, para agilizar o resultado de testes.

O kit é uma solução molecular exclusiva para pesquisa, que consegue detectar rapidamente o coronavírus em um paciente por meio da reação em cadeia da polimerase, chamada de qPCR. Com o lançamento do kit, que já está sendo comercializado, a Roche irá auxiliar os hospitais a lidarem com o grande números de casos, principalmente na China.

Para detectar o vírus, o teste analisa os ácido nucleicos que foram retirados da saliva dos pacientes, e os compara com as sequências retiradas nas cepas do coronavírus. Dessa forma, é possível identificar o vírus no organismo dos indivíduos mesmo antes dos sintomas começarem a aparecer. Embora o produto tenha chegado hoje no Brasil, o isolamento atual da China está dificultando para que o país também tenham acesso ao produto.

Thomas Schinecker, chefe da divisão de diagnóstico da Roche, disse para a Bloomberg que, com os sistemas tecnológicos da empresa, os testes podem se tornar cada vez mais ágeis: "Existe um gargalo. É realmente desconhecido quantas pessoas têm o vírus no momento e, com nossos sistemas, podemos ajudar a tornar os testes muito mais amplos", comentou Schinecker. A empresa divulgou que está produzindo mais máquinas de alta tecnologia para que consiga atender a demanda do produto.

Nesta quinta-feira, a Organização Mundial da Saúde se reuniu para decidir um plano para conseguir controlar a propagação do vírus, que está se espalhando rapidamente. O vírus, que já matou 170 pessoas e infectou cerca de 8 mil ao redor do mundo, foi classificado como de risco "elevado".

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.