Ciência

Rímel faz mal para os cílios? Oftalmologista aponta cuidados para uso de maquiagem

Confira as orientações da oftalmologista Luiza Paulo Filho para uma aplicação correta e segura de rímel, além de dicas para manter a saúde ocular em dia

Rímel em excesso deixa os cílios menores? (Plume Creative/Getty Images)

Rímel em excesso deixa os cílios menores? (Plume Creative/Getty Images)

Edicase
Edicase

Agência de notícias

Publicado em 9 de junho de 2023 às 11h40.

Para conquistar cílios longos, volumosos e definidos, o rímel é um aliado indispensável na rotina de beleza de muitas mulheres. No entanto, é importante ter cuidado para evitar erros que possam prejudicar a saúde dos olhos.

Um dos principais riscos está relacionado à contaminação do produto. A área dos olhos é extremamente sensível e suscetível a infecções. Se a escova do rímel estiver suja e contaminada, pode acumular bactérias e fungos, aumentando o risco de irritações e infecções oculares. Além disso, o uso prolongado de rímel pode causar o ressecamento dos cílios.

A oftalmologista Luiza Paulo Filho compartilha algumas dicas valiosas para garantir uma aplicação correta e segura do rímel, além de cuidados adicionais para manter a saúde ocular em dia.

1. Escolha o rímel adequado

A escolha do rímel é o primeiro passo importante para garantir uma aplicação segura. Busque por produtos de qualidade, que possuam uma fórmula suave e não contenham ingredientes nocivos à saúde dos olhos, como o formaldeído e o chumbo. Prefira marcas conhecidas e evite produtos falsificados.

2. Higienize a escova do rímel

A higienização da escova do rímel é essencial para evitar infecções e contaminações. Luiza recomenda lavar a escova em água corrente uma vez por semana e deixá-la secar naturalmente. Nunca compartilhe o produto com outras pessoas.

3. Descarte o rímel vencido

O produto vencido pode causar irritações aos olhos e até infecções. Verifique a data de validade e descarte-o após três meses de uso. Lembre-se de que o rímel deve ser armazenado em local seco e fresco.

4. Não passe camadas demais

A aplicação excessiva de camadas de rímel pode pesar os cílios e deixá-los grudados, além de correr o risco de cair dentro dos olhos. Luiza sugere passar no máximo duas camadas, com movimentos suaves e circulares.

5. Remova o produto antes de dormir

Dormir com o rímel pode entupir os folículos dos cílios e causar infecções na região dos olhos. Certifique-se de removê-lo completamente antes de dormir, utilizando um removedor de maquiagem ou água morna e sabão.

6. Opte por fórmulas hipoalergênicas e livres de fragrância

Para olhos sensíveis, busque por produtos hipoalergênicos e livres de fragrância, pois isso reduzirá o risco de irritação e vermelhidão nos olhos. Consultar um oftalmologista pode ajudar a identificar marcas de confiança e fórmulas adequadas para o seu caso específico.

7. Use rímel à prova d’água com moderação

Os produtos à prova d’água são uma ótima opção para ocasiões especiais ou quando você precisa de uma maquiagem duradoura. No entanto, o uso diário pode ser prejudicial aos cílios, tornando-os mais quebradiços, e às pálpebras, com maior risco de terçol e calázio (entupimento das glândulas da pálpebra). Portanto, o ideal é utilizá-los com moderação e removê-los completamente com um demaquilante suave antes de dormir.

8. Utilize a escova corretamente

A forma como você utiliza a escova do rímel faz toda a diferença no resultado. Para cílios mais volumosos, escolha uma escova com cerdas mais densas. Se preferir um visual mais alongado, opte por escovas com cerdas mais finas e longas. Certifique-se de aplicar o rímel em movimentos suaves, da raiz às pontas dos cílios, para evitar a formação de grumos.

9. Remova o rímel de maneira cuidadosa

A remoção adequada do rímel é tão importante quanto a aplicação correta. Use um demaquilante suave e específico para a área dos olhos. Evite esfregar os olhos com força, pois isso pode causar irritação e danificar os cílios.

“Ao seguir essas dicas é possível garantir uma aplicação segura e manter a sua saúde ocular em dia; e não esqueça de que o cuidado com os olhos deve estar sempre em primeiro lugar”, finaliza a oftalmologista Luiza Paulo Filho.

Acompanhe tudo sobre:Portal EdiCaseSaúdeSaúde e boa formaSaúde no Brasil

Mais de Ciência

Flora intestinal distinta pode servir para o diagnóstico do Autismo, aponta estudo

Estudo sugere que expectativa de vida humana pode ter alcançado limite

Ozempic reduz risco de demência em pacientes diabéticos, revela estudo

O que causa a enxaqueca? Estudo revela nova pista sobre origem da doença

Mais na Exame