A página inicial está de cara nova Experimentar close button

OMS divulga relatório sobre origens do coronavírus em meio a críticas

Relatório da organização foi criticado por atraso e por dificuldades em lidar com ingerência da China durante investigação

Esta reportagem faz parte da newsletter EXAME Desperta. Assine gratuitamente e receba todas as manhãs um resumo dos assuntos que serão notícia

Um relatório da Organização Mundial da Saúde (OMS) que será divulgado nesta terça-feira, 30, deve apontar que o coronavírus surgiu primeiramente em morcegos antes de ter sido transmitido para humanos via outro animal. O documento foi vazado na segunda-feira pela agência de notícias Associated Press.

As origens do coronavírus são uma incógnita e uma pergunta ainda não respondida pela ciência. Justamente por isso, o documento era há muito aguardado, após sofrer diversos adiamentos.

O texto, que tem 123 páginas, traz teorias de como o vírus foi inicialmente transmitido para humanos. A pesquisa foi conduzida por 17 cientistas de diversos lugares do mundo, que estiveram em Wuhan, na China, por 27 dias entre janeiro e fevereiro. A cidade foi epicentro da epidemia, ainda em 2019.

De acordo com o jornal americano The New York Times, o relatório, além de apontar a origem animal do vírus, também categoriza a possibilidade de o coronavírus ter escapado de um laboratório como "extremamente improvável". Para os especialistas, a transmissão do vírus da covid-19 por um animal intermediário é uma hipótese "entre provável e muito provável".

A divulgação do texto ocorre meio ao embate entre a China e a OMS. Durante a visita, oficiais chineses se recusaram a fornecer dados e evidências sobre o período inicial de transmissão do vírus ao time da agência internacional, frustrando alguns dos cientistas.

O governo da China durante meses tentou atrasar a visita dos especialistas, que postergaram a divulgação do relatório, em uma tentativa de evitar escrutínio sobre eventuais erros iniciais conduzidos pelo país durante o início da epidemia de covid-19. Os chineses defendem sua abordagem e dizem que cooperam integralmente com a OMS.

Já o órgão de saúde global foi acusado de ser muito tolerante com a China desde os primeiros dias do que se tornaria a pior pandemia em um século. A posição é delicada, porém, já que a OMS precisa de cooperação de um país para realizar uma investigação desse tipo.

Entre os críticos está o diretor da ONG de direitos humanos Human Rights Watch, Kenneth Roth, que acusa a OMS de "cumplicidade institucional".

"A OMS rejeitou completamente, como instituição, qualquer tipo de crítica sobre a maneira como a China escondeu a transmissão entre humanos, ou o fato de que continua a se recusar a fornecer evidências", disse Roth a repórteres no mês passado.

Os que questionam o texto afirmam que o relatório é insuficiente e pressionaram nos últimos meses por uma investigação independente.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também