Primeira pessoa morta por H5N1 na América do Norte era enfermeira

Autoridades canadenses e familiares da mulher não revelaram nome ou idade da vítima

A família da primeira pessoa morta pelo vírus da gripe aviária H5N1 na América do Norte revelou nesta sexta-feira que a vítima era uma enfermeira de origem chinesa e que tinha se casado recentemente.

Nem as autoridades canadenses, nem familiares da mulher revelaram seu nome ou idade. A Organização Mundial da Saúde (OMS) disse apenas que ela tinha menos de 30 anos de idade.

A jovem morreu no Canadá no último dia 3, pouco após realizar uma viagem à China junto com vários familiares. As autoridades sanitárias canadenses afirmaram que nenhuma outra pessoa que esteve em contato com a vítima desenvolveu a doença.

A família da mulher disse hoje em comunicado que ela era uma pessoa “cheia de energia” e que se sentia realmente apaixonada pelo trabalho que realizava no hospital da cidade de Red Deer.

Alguns familiares também revelaram que a jovem cresceu na China e que veio ao Canadá para estudar enfermaria. “Este era seu sonho, e estudou e trabalhou muito duro para consegui-lo”, acrescentou o comunicado, que também afirma que a jovem se casou há um ano e meio.

As autoridades canadenses, junto com a OMS, continuam investigando a forma de contágio do mortal vírus H5N1. Segundo se soube, a jovem não esteve em contato com aves, nem em zonas onde foi registrada a presença do H5N1, por isso o caso pode ser uma das raras instâncias em que a infecção aconteceu entre humanos.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.