Polônia aposta no turismo médico e atrai 500 mil por ano

Autoridades polonesas apostam nesse mercado para transformar a Polônia em uma referência para o turismo de saúde de russos, alemães, americanos e escandinavos

Varsóvia - Uma mesa de cirurgia ou uma consulta no dentista não é o destino sonhado de férias para muitos, mas, mesmo assim, as autoridades polonesas decidiram apostar nesse mercado e em transformar a Polônia em uma referência para o lucrativo turismo de saúde de russos, alemães, americanos e escandinavos.

Em 2012 chegaram à Polônia 500 mil pessoas para serem submetidas a um tratamento, explicou à Agência Efe a responsável da campanha governamental promovida pelo país como destino de saúde, Ada Kostrz.

Segundo seus dados, o número de turistas que buscam tratamento médico na Polônia aumentou entre 12% e 15% anuais durante os últimos anos.

Um negócio lucrativo para os cerca de 40 centros de saúde e hospitais que participam da campanha "Poland, your health destination" ("Polônia, o destino da sua saúde") e que também é financiada com fundos da União Europeia. Entretanto, Ada se recusou a revelar o impacto econômico desses visitantes na economia nacional.

"São turistas particulares, o que é difícil de determinar, mas é preciso levar em conta que, além do tratamento médico, essas pessoas também viajam, fazem compras e utilizam a hotelaria local", especificou.

Os "turistas de saúde" buscam na Polônia, principalmente, tratamentos de medicina estética, ortopédica, reabilitações, sanatórios para problemas respiratórios e, como não, uma visita ao dentista, destaque do turismo médico não só na Polônia, mas em outros países da região como Hungria e Letônia.

Os russos, sobretudo, vêm buscando lugares nos sanatórios poloneses para problemas alérgicos e respiratórios; os britânicos fazem tratamentos dentais complexos, assim como os alemães, que também procuram os centros de spa e beleza próximos da Alemanha; e os italianos se derretem pelas operações plásticas e pelas cirurgias estéticas, disse Ada.


"Nós atendemos muitos estrangeiros, sobretudo britânicos, alemães e escandinavos que sabem que na Polônia oferecemos um bom nível por um preço muito menor que em seus próprios países", disse à Efe a dentista Marzena Grabos, reconhecendo que a cada ano mais estrangeiros vêm para fazer tratamentos dentais custosos como implantes, endodontia e ortodontia.

Mas a Polônia é tão barata assim para compensar as despesas com transporte e alojamento, além do tratamento? Sim, segundo a informação oferecida pelo Ministério da Economia polonês, muitos tratamentos são até 80% mais baratos que em outras partes do mundo.

O implante dentário, por exemplo, custa segundo o Ministério uma média de 608 euros na Polônia, enquanto nos Estados Unidos e no Reino Unido esse valor pode superar os 3 mil euros.

Algo similar ocorre com uma operação complexa como a de ponte de safena, que em um hospital polonês particular sai por 7,6 mil euros frente aos mais de 34 mil euros dos Estados Unidos, 17 mil euros do Reino Unido e os mais de 9,3 mil euros da Turquia.

"Temos um país seguro, moderno e com bons médicos", resumiu Ada. As autoridades polonesas e várias empresas médicas locais se esforçaram em mostrar essa imagem nas últimas feiras realizadas em Miami, Moscou e Mônaco, onde a Polônia se apresentou como um destino para o turismo médico.

Os principais concorrentes da Polônia são países como Turquia, Tailândia e Índia, lugares que vem investindo há anos em sua marca como um destino do turismo internacional de saúde.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.