• AALR3 R$ 20,34 1.40
  • AAPL34 R$ 67,96 -2.78
  • ABCB4 R$ 17,36 4.52
  • ABEV3 R$ 14,11 -0.77
  • AERI3 R$ 3,72 -1.59
  • AESB3 R$ 10,75 0.66
  • AGRO3 R$ 30,95 1.08
  • ALPA4 R$ 20,84 -0.48
  • ALSO3 R$ 19,10 -1.29
  • ALUP11 R$ 26,71 1.17
  • AMAR3 R$ 2,45 4.26
  • AMBP3 R$ 30,53 -2.12
  • AMER3 R$ 23,10 0.65
  • AMZO34 R$ 67,45 -0.34
  • ANIM3 R$ 5,50 -0.72
  • ARZZ3 R$ 81,36 -0.60
  • ASAI3 R$ 15,39 -0.06
  • AZUL4 R$ 21,23 0.00
  • B3SA3 R$ 11,82 2.34
  • BBAS3 R$ 35,68 -0.64
  • AALR3 R$ 20,34 1.40
  • AAPL34 R$ 67,96 -2.78
  • ABCB4 R$ 17,36 4.52
  • ABEV3 R$ 14,11 -0.77
  • AERI3 R$ 3,72 -1.59
  • AESB3 R$ 10,75 0.66
  • AGRO3 R$ 30,95 1.08
  • ALPA4 R$ 20,84 -0.48
  • ALSO3 R$ 19,10 -1.29
  • ALUP11 R$ 26,71 1.17
  • AMAR3 R$ 2,45 4.26
  • AMBP3 R$ 30,53 -2.12
  • AMER3 R$ 23,10 0.65
  • AMZO34 R$ 67,45 -0.34
  • ANIM3 R$ 5,50 -0.72
  • ARZZ3 R$ 81,36 -0.60
  • ASAI3 R$ 15,39 -0.06
  • AZUL4 R$ 21,23 0.00
  • B3SA3 R$ 11,82 2.34
  • BBAS3 R$ 35,68 -0.64
Abra sua conta no BTG

Oxford começa a testar vacina contra câncer de próstata, pulmão e ovários

Imunizante ataca proteína liberada pelo tumor cuja função é enganar o corpo humano
 (Agência Brasil/Tomaz Silva)
(Agência Brasil/Tomaz Silva)
Por Agência O GloboPublicado em 11/05/2022 16:43 | Última atualização em 11/05/2022 16:43Tempo de Leitura: 1 min de leitura

Pesquisadores britânicos estão testando uma vacina contra o câncer de próstata, pulmão e ovários em voluntários. O imunizante foi desenvolvido pela Oxford Vacmedix, empresa criada por cientistas da Universidade de Oxford, no Reino Unido.

Quais são os maiores desafios da ciência? Descubra ao assinar a EXAME: menos de R$ 11/mês.

O produto tem como alvo a proteína survivina, que é liberada por células cancerígenas para enganar o sistema imunológico e evitar que o corpo as ataque. Usando versão sintética da proteína, a função da vacina é ensinar a organismo a atacar a substância e reconhecer os tumores.

Ao todo, 35 pacientes com câncer receberão três doses da vacina, com um intervalo de duas semanas. Eles serão monitorados por seis meses após as aplicações.

Os resultados iniciais têm se mostrado promissores, afirmam os pesquisadores. No entanto, eles pedem cautela, pois os voluntários precisam ser acompanhados ao longo do tempo para se observar possíveis efeitos colaterais a longo prazo e definir qual é o impacto na sobrevivência dos participantes.

LEIA TAMBÉM: Linhagem de dengue com risco de casos mais graves é identificada no Brasil