O que é a B.1.617, variante do coronavírus que preocupa autoridades

A nova cepa já teve um caso identificado no Brasil e autoridades tomam medidas preventivas para combater a propagação da variante
 (University of Southampton/Reprodução)
(University of Southampton/Reprodução)
L
Lucas Agrela

Publicado em 18/05/2021 às 14:04.

Última atualização em 20/05/2021 às 13:10.

A variante do novo coronavírus chamada B.1.617 teve seus primeiros relatos em outubro de 2020. O local apontado como possível origem da cepa é a Índia, país onde foram registrados cerca de 25 milhões de casos de covid-19 e cerca de 240.000 mortes pela doença infecciosa, segundo dados da Universidade Johns Hopkins. A variante teve o primeiro caso confirmado nesta quinta-feira (20) no Brasil.

A variante pode permitir que o coronavírus seja mais eficiente na capacidade de infectar seres humanos, uma característica de mutação inerente aos vírus. A cepa já foi identificada em mais de 40 países.

A prefeitura de São Paulo anunciou hoje o início de testes para analisar cepas. A variante B.1.617 foi identificada no domingo, 16, em um indiano de 54 anos, tripulante de um navio atracado no Maranhão, mas não há notícia de outros casos no Brasil. A medida da capital paulista, que tem leitos de UTI em 85%, é preventiva e o novo estudo sorológico será realizado junto com a USP e o Instituto Butantan.

A B.1.617 está ligada a outras duas variantes semelhantes que também se relacionam com um maior risco de transmissão entre pessoas. São elas as variantes chamadas B.1.617.2 e B.1.617.3, todas com local provável de origem na Índia. Como aconteceu com a China, a Índia também fez um pedido público ao mundo que não chame a variante de vírus indiano.

Dada a possibilidade de maior transmissibilidade, a Organização Mundial da Saúde indicou que a variante B.1.617 é motivo de preocupação global. Essa mutação do coronavírus, inclusive, preocupa autoridades do Reino Unido, que inciou uma reabertura e liberação do uso de máscaras nesta semana. Nos Estados Unidos, a CDC, centro de prevenção e controle de doenças infecciosas do governo, ainda espera mais evidências para tomar alguma medida em relação à nova cepa.

Embora ainda seja cedo para conclusões definitivas, o governo de Israel, país que já vacinou grande parte de sua população, diz que é "muito provável" que a vacina da Pfizer, feita junto à empresa alemã BioNTech, seja eficaz contra a B.1.617.

Apesar dos indícios de maior transmissibilidade da cepa, não há estudo que indique as vacinas atuais não sejam eficazes contra a variante B.1.617 ou suas ramificações, muito pelo contrário. Uma pesquisa publicada na revista científica Nature na segunda-feira indica que vacinas da Pfizer e da Moderna podem bloquear a ação nocisa da variante. O estudo, entretanto, ainda carece do processo de validação chamado de revisão de pares, quando pesquisadores especializados e independentes analisam o trabalho.

  • Quer saber tudo sobre o desenvolvimento e eficácia de vacinas contra a covid-19? Assine a EXAME e fique por dentro.