Novo buraco negro coloca em xeque o que a ciência sabe sobre as galáxias

O novo buraco negro supermassivo encontrado desafia o que a ciência entendia sobre como as galáxias eram formadas a partir da evolução dos buracos negros

Buracos negros continuam intrigando a ciência. Depois de astrônomos encontrarem ao menos seis galáxias presas ao redor de um buraco negro supermassivo, agora foi a vez de cientistas descobrirem um novo buraco negro com mais de 12 bilhões de anos de existência – e que mesmo assim é considerado “jovem” – e extremamente raro.

Quer trabalhar na área de tecnologia? Aprenda do zero a programar com nosso curso de Data Science e Python.

O feito é de uma equipe internacional de astrônomos e publicado na terça-feira (27) na revista científica The Astrophysical Journal Letters.

A descoberta intriga ainda mais os cientistas porque coloca em dúvida tudo o que a ciência já sabe sobre como as galáxias foram formadas ao longo do tempo. Foi encontrada uma galáxia com um blazar, termo utilizado para definir um buraco negro supermassivo que expele jatos de radiação gama. Este blazar é o mais distante já descoberto. E isso por si só já é algo curioso.

Conforme destaca o Futurism, olhar através de vastas distâncias no espaço é como olhar para trás no tempo. Assim, os pesquisadores acreditam que estejam “vendo” como aquela galáxia era quando o universo tinha apenas 1,7 bilhão de anos. Ou seja, como se fosse uma janela para o passado. A idade do universo é estimada em 14 bilhões de anos.

O problema aqui é que o blazar encontrado é do tipo BL Lacartae (BL Lacs), que é considerado uma evolução de um blazar do tipo Flat-Spectrum Radio Quasars (FSRQ). O problema é que este blazar BL Lacartae é muito mais jovem do que os cientistas estimavam inicialmente. E isso acaba criando um problema na linha temporal.

Conheça as ações da Bolsa que já trouxeram mais de 600% de lucro para seus investidores. Aproveite!

“Essa descoberta desafia o entendimento atual de que os BL Lacs são na verdade uma fase evoluída do FSRQ ”, disse o autor do estudo Nicolás Cardiel, da Universidade Complutense de Madri, na Espanha, em um comunicado à imprensa.

A descoberta, portanto, sugere que os cientistas erraram quando criaram teorias sobre a evolução dos buracos negros supermassivos. “Esta descoberta desafiou nosso conhecimento da evolução cósmica de blazares e galáxias ativas em geral”, disse Jesús Gallego, coautor do estudo.

 

De 0 a 10 quanto você recomendaria Exame para um amigo ou parente?

 

Clicando em um dos números acima e finalizando sua avaliação você nos ajudará a melhorar ainda mais.

 

Espera! Tem um presente especial para você.

Uma oferta exclusiva válida apenas nesta Black Friday.

Libere o acesso completo agora mesmo com desconto:

exame digital

R$ 15,90/mês

R$ 6,36/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 44,90/mês

R$ 40,41/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.