Nova variante não identificada por testes de PCR é encontrada na França

Nova variante foi detectada em pacientes no hospital de Lannion, que testaram negativo apesar de terem sintomas característicos da covid-19

Autoridades da França detectaram uma nova variante do coronavírus no hospital de Lannion, na região oeste da Bretanha, que não aparenta ser mais contagiosa, mas é mais difícil de ser detectada pelos testes de PCR, que são altamente precisos por coletarem amostras do fundo da garganta e das narinas.

De 79 pacientes, 8 tinham sintomas da doença, incluindo infecções pulmonares graves, mas seus testes PCR vieram negativos. De acordo com Stephane Mulliez, diretor do serviço regional de saúde (ARS), todos eram idosos e tinham outros problemas de saúde.

A presença do vírus foi detectada posteriormente em testes de sangue e na coleta de matéria biológica do fundo dos pulmões.

O ARS foi alertado sobre a nova variante por um funcionário do hospital após o mesmo estudar dezenas de mortes recentes. Amostras foram enviadas ao Instituto Pasteur em Paris, que confirmou que se tratava de uma variante desconhecida.

"Uma possibilidade é que o vírus se espalhe mais rapidamente entre o trato respiratório superior e as porções inferiores", disse Alain Tertre, diretor regional da agência nacional de saúde Sante Publique France, na conferência.

O ARS afirma em comunicado que a análise inicial mostra que a variante não tem maior taxa de contágio em comparação ao vírus original. Ele foi adicionado a uma lista de variantes sob investigação da Organização Mundial de Saúde (OMS).

Há uma outra categoria da OMS que indica uma variante de preocupação (VOC), mas, por enquanto, apenas as variantes britânicas, brasileiras e sul-africanas estão nesta lista.

Em comunicado, o Ministério de Saúde da França afirma que uma avaliação para apurar o impacto da variante está sendo conduzida.

Na França, o primeiro-ministro, Jean Castex, disse ao Parlamento que o país entrou em uma terceira onda da pandemia de covid-19, e a média de sete dias de casos novos passou de 25 mil pela primeira vez desde 20 de novembro.

Autoridades de saúde francesas relataram 29.975 casos novos nesta terça-feira (16), um salto de 4,5% em relação ao total de terça-feira passada e o maior aumento semana a semana em um mês e meio. O presidente Emmanuel Macron se reunirá na próxima terça-feira (23) com especialistas de seu painel consultivo sobre covid-19 para debater novas restrições no país.

Como outros países da União Europeia, a França está bem atrás dos Estados Unidos e do Reino Unido na vacinação de sua população. A suspensão temporária da vacina da AstraZeneca, devido a casos de possíveis coágulos sanguíneos em pacientes que tomaram uma das doses, atrasou a campanha de vacinação em todo o bloco.

A Organização Mundial da Saúde informou não haver evidências de que os incidentes sejam causados ​​pela vacina desenvolvida pela AstraZeneca, empresa anglo-sueca, com a Universidade de Oxford.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também