Mexer no celular do parceiro pode ser indício do fim do relacionamento

Pesquisa revela diferentes visões sobre bisbilhotar o celular alheio

São Paulo - Querendo entender como a ação de bisbilhotar o celular alheio afeta indivíduos e relacionamentos, um grupo de pesquisadores da Universidade de Lisboa e da Universidade da Colúmbia Britânica - ambas em Portugal -, realizaram uma pesquisa com 102 pessoas para entender o que essa ação representa para eles.

Os participantes do estudo foram convidados a relembrarem alguma situação onde um outro alguém já mexeu em seu smartphone sem permissão, ou quando já tiveram o seu aparelho bisbilhotado. Uma descrição dos eventos anteriores que levaram à isso também foi perguntada, e como o relacionamento ficou após isso.

Dentre os 46 participantes que responderam sobre a situação do relacionamento após o acesso sem consentimento do celular do parceiro, 21 informaram que cortaram contato e 25 relataram que a relação sobreviveu ao incidente.

Ivan Beschastnikh, autor do estudo e professor de ciência da computação da UBC, disse que o sentimento de traição de confiança foi um dos principais motivos relatados para o término dos relacionamentos. "Nos casos em que o relacionamento terminou, foi porque o proprietário do telefone sentiu que sua confiança foi traída ou o relacionamento também estava passando por dificuldades. Outro motivo principal foi que a relação não era tão forte ou importante para começar, como foi o caso de dois amigos de trabalho, onde um roubou informações valiosas de contato do celular do outro", informou, em comunicado, Beschastnikh, 

Nos casos em que não houve um rompimento, a vítima sentiu que a amizade/namoro era importante o suficiente para que esse acontecimento fosse deixado para trás. “Nesses casos, a vítima justificou a espionagem, considerando-a como um sinal de que eles deveriam tranquilizar seu parceiro romântico sobre seu compromisso com o relacionamento. Eles acabaram desculpando o comportamento e, em alguns casos, continuaram a dar à outra pessoa acesso ao telefone", disse Beschastnikh. 

Além disso, os participantes que invadiram a privacidade do amigo/namorado demonstraram possuir motivações divergentes para isto. Alguns justificaram o ato por terem ciúmes e um desejo de controle do relacionamento. Já outros explicaram que foi para pregar uma peça ou utilizar a informação roubada para propósitos egoístas, como questões financeiras ou descobrir segredos.

As pessoas entrevistadas eram nativas da Europa e do norte da América, e 60% eram mulheres. O estudo, ainda que pequeno, é o primeiro a apresentar informações detalhadas sobre esse tema, envolvendo os indivíduos diretamente afetados.

O estudo, chamado “Vulnerabilidade e Culpa: Justificando o Acesso Não Autorizado a Smartphones”, foi apresentado no começo deste mês na Conferência de Fatores Humanos em Sistemas Computacionais da editora ACM

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.