Metade dos peixes de cativeiro no mundo têm ouvido deformado

E, acredite, os cientistas estão surpresos e preocupados com isso. Entenda

São Paulo – Uma nova pesquisa científica, publicada no jornal científico Scientific Reports, revelou pela primeira vez que metade dos peixes criados em cativeiro no mundo apresentam perdas de audição devido a uma deformidade no ouvido.

Assim como em outros vertebrados, os peixes possuem um aparelho auditivo que é essencial não só para audição como também para o equilíbrio. Seus ouvidos são internos, embutidos nos ossos do crânio.

Os pesquisadores da Universidade de Melbourne, que lideraram o estudo, descobriram que metade dos peixes marinhos do mundo criados em cativeiros, como o salmão do Atlântico, apresentam uma deformidade nos otólitos, os corpos calcários situados no ouvido interno, algo incomum de se verificar em peixes selvagens.

Segundo o principal autor do estudo, Tormey Reimer, os peixes de viveiro são 10 vezes mais propensos a ter a deformidade do que aqueles que se desenvolvem livremente no mar.

"A deformidade ocorre quando a estrutura típica de carbonato de cálcio no ouvido do peixe é substituída por uma forma cristalina diferente. Esses ‘ossos de ouvido’ deformados são maiores, mais leves e mais frágeis”, disse Reimer.

De acordo com o pesquisador, a deformidade aparece em idade precoce, na maioria das vezes quando os peixes estão em uma incubadora, mas seus efeitos sobre a audição se tornam cada vez mais graves a medida que eles crescem.

A pesquisa sugere que os peixes que sofrem com esta deformidade podem perder até 50% de sua sensibilidade auditiva.

Para testar se o problema era um fenômeno global, os pesquisadores da Universidade de Melbourne se uniram ao Instituto Norueguês para Pesquisa da Natureza e recolheram amostras de salmão nas principais nações produtoras do mundo: Noruega, Canadá, Escócia, Chile e Austrália.

As equipes compararam a estrutura dos otólitos de salmão criado em viveiro e do selvagem e também a audição dos peixes. Eles descobriram que, independentemente do país onde o salmão é cultivado, a deformidade é muito maior em peixes de viveiro do que nos animais selvagens.

Está claro que algo sobre o processo de cultivo está causando essa deformidade, mas agora os pesquisadores precisam descobrir o que origina isso.

Violações

Segundo os pesquisadores, a produção de animais em cativeiro com deformidades viola definições de bem estar que constam na declaração Universal do Bem Estar Animal e que constituem a base da legislação para garantir um manejo adequado dos animais de criadouro em muitos países.

Ainda segundo os pesquisadores, a deformidade também poderia explicar por que muitos programas de conservação de pescados não estão funcionando conforme o esperado.

Todos os anos, milhares de salmões jovens criados em cativeiro são liberados nos rios na América do Norte, Ásia e Europa, para impulsionar as populações selvagens, mas sua sobrevivência é 10 a 20 vezes mais baixa do que a do salmão selvagem.

A perda auditiva, neste caso, pode impedir que os peixes detectem a presença de predadores além de restringir a sua capacidade de seguir o fluxo migratório da espécie para a reprodução.

"Nós pensamos que a audição comprometida poderia ser parte do problema. Todos os programas de repovoamento de peixes nativos agora devem avaliar se o peixe tem deformidades no ouvido e qual o efeito que isso tem sobre as suas taxas de sobrevivência", disse o coautor do estudo Steve Swearer, da Universidade de Melbourne. 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.