Malha "injetada" no crânio monitora cérebro inusitadamente

Uma espécie de rede que se integra ao órgão é injetada por uma agulha de 100 micrometros no cérebro de uma pessoa

São Paulo - Um grupo de pesquisa de Harvard criou uma malha fina que pode rastrear a atividade cerebral com um método de implante pouco invasivo, mas um tanto estranho.

Isso porque ela é inserida no órgão por meio de uma injeção craniana. O estudo está descrito na edição desta semana da revista científica Nature Nanotechnology.

A medicina já estuda há algum tempo como implantar aparelhos flexíveis nos órgãos animais e humanos, permitindo que eles sejam monitorados.

Tatuagens eletrônicas, por exemplo, conseguem monitorar sinais cerebrais. O problema é que esses aparelhos precisam ser cirurgicamente implantados, gerando riscos para o paciente.

A equipe de Harvard resolveu usar outra abordagem para resolver esse problema. A malha que eles criaram, feita de um polímero com fios de metal, possui as mesmas funções de um eletrodo convencional, mas se consegue integrar ao cérebro, funcionando como uma espécie de "andaime", onde as células cerebrais podem se grudar.

Essa estrutura cria uma conexão capaz de rastrear ou estimular neurônios individuais.

Mas a característica mais impressionante da malha é outra: ela pode ser reduzida a tamanhos muito pequenos, ficando suficientemente fina para ser colocada em uma agulha de 100 micrômetros (equivalente a 0,000001 metros).

Assim, pode ser injetada em uma região do cérebro, se desenrolando e cobrindo a área ao seu redor.

No experimento, os pesquisadores testaram essa malha em um gel sintético, demonstrando que ela pode se desenrolar e grudar em uma estrutura de consistência parecida com a do cérebro.

Então, os cientistas injetaram a malha em um rato vivo. Para fazer isso, eles precisavam remover uma parte do crânio do animal. Mas os pesquisadores afirmam que a área de osso retirada é menor do que um implante cirurgico iria remover.

Cinco semanas após a injeção, a malha se desenrolou e a ressonância magnética mostrou neurônios saudáveis ao redor dela.

E, principalmente, sua função ficou intacta: os pesquisadores conseguiram mapear a atividade cerebral ao conectá-la a um conjunto de pequenos fios.

Segundo a reportagem da Nature, a equipe espera testar malhas maiores com diferentes tipos de sensores, e quer injetar a malha em ratos recém-nascidos para verificar como elas se desenrolam à medida que o animal cresce.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.