Incidência do Alzheimer estabiliza-se na Europa, diz estudo

O grupo de cientistas analisou cinco estudos relacionados que tinham sido realizados em diferentes décadas e países

Londres - Pesquisadores da Universidade de Cambridge comprovaram que os níveis de incidência da doença de Alzheimer estabilizaram-se na Europa Ocidental, segundo um estudo divulgado nesta sexta-feira pela revista científica "The Lancet Neurology Journal".

O grupo de cientistas analisou cinco estudos relacionados que tinham sido realizados em diferentes décadas e países, incluindo Holanda, Reino Unido, Espanha e Suécia.

Através da análise, os cientistas comprovaram que a demência tinha se estabilizado na Holanda e Suécia, e inclusive tinha reduzido na Espanha e Inglaterra, contra os números que previam uma incidência maior.

Na Inglaterra, os prognósticos de 1991 sobre a incidência da doença sustentavam que 11% dos maiores de 65 anos padeceriam de demência em 2011. No entanto, os autores do estudo disseram que o número atual é de 6%.

As evidências que apontavam para uma "epidemia" da demência se basearam em um estudo que começou em 1980 e, desde então, a melhora das condições de vida e os avanços em matéria de saúde mudaram a situação.

Carol Brayne, pesquisadora do Instituto de Saúde Pública em Cambridge, explicou que "a diminuição da incidência da demência" coincidia com a melhora dos fatores de proteção contra a doença, como a educação e as condições de vida.

Os autores da pesquisa afirmaram que, no caso dos níveis da doença terem se estabilizado de forma definitiva, o maior desafio nos próximos anos será o cuidado dos doentes.

O cientista Yu-Tzu Wu, um dos membros da equipe de Cambridge, lembrou que "a população de mais de 85 anos é o grupo demográfico que mais rápido cresce" e que 40% deles sofre demência.

Por sua vez, Elizabeth Coulthard, catedrática de Neurologia na Universidade de Bristol, esclareceu que os prognósticos anteriores sobre a doença tinham sido "muito exagerados".

"É possível que certos fatores como a nutrição e as condições de vida tenham contribuído para uma certa estabilização, mas o impacto da demência continua sendo enorme e afeta cerca de 7% dos idosos de 65, e cerca de 40% dos maiores de 80", concluiu.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.