Impacto de meteoro pode ter a força de 1.000 bombas atômicas

O meteoro que caiu nesta sexta-feira na Rússia impressiona pela devastação que causou, mas já houve outros muito maiores no passado

São Paulo — A queda de um meteoro na Rússia nesta sexta-feira, deixando mais de 900 feridos, é uma evento infrequente, mas não inédito. Há inúmeros registros de choques similares no passado. Entre os que foram presenciados pelos humanos, o mais impressionante aconteceu em 1908 na região de Tunguska, na Sibéria.

Não há 100% de certeza de que a explosão de Tunguska tenha sido causada por meteoro. Mas essa é a hipótese mais aceita pelos cientistas. O impacto ocorreu numa região pouco habitada. Sua força é estimada em mil vezes a da bomba atômica que devastou Hiroshima em 1945.

A explosão produziu uma onda de choque equivalente a 5 graus na escala Richter. Ela destruiu 80 milhões de árvores numa área de mais de 2 mil quilômetros quadrados. Houve vidraças quebradas a centenas de quilômetros de distância. 

Existem mais de mil trabalhos científicos sobre a explosão de Tunguska. A maioria aponta para um meteoro como provável causa. Mas nenhuma cratera foi encontrada, o que sugere que o suposto meteoro deve ter explodido no ar. Cálculos indicam que a explosão deve ter ocorrido entre 6 e 10 quilômetros de altitude.


O objeto, com 60 metros de diâmetro, teria se desintegrado quando a resistência do ar se tornou maior que a força de coesão que mantinha suas partículas unidas. Espalhados pela região, há minerais que podem ter vindo de um meteoro, o que reforça essa hipótese.

Perto desse monstro espacial, o meteoro que caiu nesta sexta-feira na Rússia parece pequeno. Estimativas indicam que ele tinha pouco mais de 2 metros de diâmetro e massa de 10 toneladas. O clarão no céu sugere que ele também explodiu no ar. Mas os russos encontraram pelo menos uma cratera, indicando que algum fragmento grande chegou ao chão.

A devastação de Tunguska poderia se repetir se um asteroide como o 2012 DA-14, que passa hoje perto da Terra, colidisse com o planeta. Felizmente, os astrônomos dizem que não há risco de isso acontecer nesta vez.

Mas há evidências práticas de que um desastre ainda pior é possível. Estudos mostram que um meteorito gigantesco, com 10 quilômetros de diâmetro, chocou-se contra a península de Yucatán, no México, há 66 milhões de anos. Segundo a teoria mais aceita atualmente, esse choque espacial teria provocado a extinção dos dinossauros

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 15,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.