Gravuras rupestres de 2 mil anos são destruídas no Marrocos

Segundo fonte, se trata de um ato de destruição voluntária realizado provavelmente por caçadores de tesouros arqueológicos

	Marrocos: o Centro Nacional de Patrimônio Rupestre disse que arte pertence ao denominado período amazigh, de pelo menos 2.000 anos a.C.
 (Flickr.com/antoniobovino)
Marrocos: o Centro Nacional de Patrimônio Rupestre disse que arte pertence ao denominado período amazigh, de pelo menos 2.000 anos a.C. (Flickr.com/antoniobovino)
D
Da RedaçãoPublicado em 02/08/2013 às 10:21.

Rabat - Lajes com gravuras rupestres de mais de 2.000 anos de antiguidade apareceram destruídas no enclave de Boutarigt, situado na província de Tiznit, informou à Agência Efe uma fonte do Ministério de Cultura marroquina.

Segundo a fonte, se trata de um ato de destruição voluntária realizado provavelmente por caçadores de tesouros arqueológicos.

Através de um comunicado, o Centro Nacional de Patrimônio Rupestre (CNPR) assinalou que, segundo a cronologia desta arte reconhecida no Marrocos e no norte da África, as lajes pertencem ao denominado período amazigh (pelo menos 2.000 anos a.C.) devido aos temas (cavalos, cavaleiros) retratados nas gravuras e às técnicas utilizadas.

O enclave de Boutarigt faz parte de um conjunto de lugares de arte rupestre na província de Tiznit e o mais rico deles é o de Oukass já que conta com um grande número de gravuras.

As autoridades locais já abriram uma investigação sobre o assunto.