Explosão de foguete Antares expõe riscos de voos contratados pela Nasa

Este foi o primeiro acidente registrado desde que a Nasa passou a depender da SpaceX e da Orbital Sciences, para enviar suprimentos à estação espacial

A explosão do foguete Antares, da empresa americana Orbital Sciences, levantou questionamentos sobre a capacidade da Nasa de enviar suprimentos, equipamentos e astronautas para a Estação Espacial Internacional e sua dependência ao setor privado, enquanto surgem informações de que o veículo seria equipado com motores remanufaturados da era soviética.

Na terça-feira (28), o foguete que transportava suprimentos e experimentos para a estação orbital (ISS, na sigla em inglês) subiu pouquíssimo após seu lançamento, na Virgínia (leste dos EUA), se incendiou repentinamente, explodiu e caiu, provocando uma nuvem gigantesca. Não havia pessoas a bordo, nem foram registrados feridos em terra, mas as perdas materiais são elevadas.

Confira o vídeo do acidente abaixo:

//www.youtube.com/embed/KhFxCcRngXI

Este foi o primeiro acidente registrado desde que a Nasa passou a depender de duas empresas privadas, a SpaceX e a Orbital Sciences, para enviar suprimentos à estação. No total, as empresas fizeram oito vôos, sendo seis em missões de abastecimento.

"Certamente há gente no Congresso e na indústria aeroespacial que pensa que o governo (Barack) Obama cometeu um erro ao não dar mais apoio à Nasa como força dominante nos voos espaciais", afirmou Marco Caceres, analista de indústria aeroespacial da empresa Teal Group.

"Para estas pessoas, recorrer ao setor privado é má ideia, uma ideia perigosa", acrescentou.

Cáceres estima que a partir deste acidente mais vozes críticas se levantarão neste sentido, sobretudo ao considerar que um dia estas naves privadas vão transportar astronautas.

Diante dos cortes orçamentários do governo, o presidente Obama começou, desde o primeiro mandato, a recorrer ao setor privado, uma idéia iniciada por seu antecessor, o republicano George W. Bush.

Em 2011, a Nasa assinou dois contratos de reabastecimento da ISS, um de US$ 1,9 bilhão com a Orbital Sciences e outro, de US$ 1,6 bilhão com a SpaceX.

A agência espacial americana apostou nestas duas empresas privadas para assumir o lugar dos antigos ônibus espaciais, que fizeram o último voo em julho de 2011 e agora decoram museus no país.

Atualmente, os foguetes privados têm a missão de abastecer a ISS a menor custo. A ideia é que também transportem astronautas dentro de três a quatro anos.

Em setembro deste ano, a Nasa encarregou a SpaceX e a Boeing da construção das duas primeiras naves espaciais privadas, projetadas para transportar pessoas à estação orbital. O valor do contrato é de US$ 6,8 bilhões.

Os primeiros vôos destas naves estão previstos para 2017. Até então, os Estados Unidos continuarão a depender das naves russas Soyuz para revezar as tripulações de astronautas na ISS.

Motores da era soviética

Algo que pode elevar o tom das críticas é a informação, divulgada por especialistas, nesta quarta-feira, de que o foguete que explodiu era equipado com dois motores de foguete AJ-26, de projeto ucraniano, fabricados nos anos 1960 e 1970, em plena era soviética. A companhia Aerojet Rocketdyne, de Sacramento, Califórnia, teria um estoque destes motores, que remanufatura para a Orbital Sciences.

A Orbital descreveu o motor AJ-26 em seu site na internet como "um derivado comercial do motor que foi desenvolvido originalmente para o foguete lunar russo, que pretendia levar cosmonautas à Lua".

Marco Caceres disse à AFP que o AJ-26 é "um motor poderoso", projetado para levar pessoas à Lua, mas nunca o fez.

"Eles tiveram problemas com este motor nos anos 1960 e acabaram, finalmente, por deixar de fabricá-lo", acrescentou.

Em 1993, a Aerojet começou a desenvolver modificações no projeto para adaptar o motor a lançamentos comerciais.

Os motores de ciclo de combustão estagiada de oxigênio e querosene foram submetidos a testes no centro Stennis da Nasa, no Mississippi.

Em maio passado, um motor AJ-26 explodiu durante um teste em solo no local, mas logo após o acidente desta terça-feira, as autoridades se negaram a vincular os dois incidentes.

A Orbital Sciences começou a investigar as causas da explosão de seu foguete na Virgínia, mas ainda não divulgou os resultados.

Durante coletiva na terça-feira, o chefe dos voos tripulados da Nasa, Bill Gerstenmaier, afirmou que o revés "não desestimulará nossos esforços para estender as capacidades de lançamento do nosso setor privado, que já teve êxito para realizar missões de abastecimento da ISS a partir de território americano".

Ele disse, ainda, que a perda do foguete Antares e da cápsula Cygnus que transportava "não terá nenhum impacto" na vida dos seis tripulantes da ISS.

Para Mike Suffredini, encarregado da ISS, na estação havia provisões suficientes para quatro a seis meses mais.

Quarta-feira (29), a Rússia ofereceu ajuda aos Estados Unidos para abastecer a ISS.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.