EUA derrubam obrigatoriedade de máscaras dentro dos aviões

Assunto é tema de tensões entre comissários de bordo e passageiros e gera conflito de opiniões
 (Victor Moriyama/Bloomberg/Getty Images)
(Victor Moriyama/Bloomberg/Getty Images)
A
Agência O Globo

Publicado em 21/04/2022 às 10:04.

Última atualização em 21/04/2022 às 10:44.

Por dois anos, rostos cobertos em aeroportos e aviões eram um lembrete persistente do controle que a Covid-19 tinha nas viagens aéreas. O fim do mandato da máscara em aviões e outras formas de transporte marcou o mais recente avanço no esforço do setor aéreo para voltar ao normal.

Tire dúvidas sobre como declarar o Imposto de Renda 2022. Participe de live gratuita

Passageiros e tripulantes saudaram a decisão de um juiz federal contra o mandato na segunda-feira com uma mistura de alegria, alívio e alarme. Para alguns, a mudança introduziu um novo estresse porque a Covid-19 ainda está circulando e matando pessoas. Mas, para muitos outros, removeu uma importante fonte de tensão e desconforto.

Para comissários de bordo, pilotos e outros profissionais da área, o mandato da máscara tornou-se uma fonte de frustração, mesmo quando eles reconheceram que os protegia durante sua extensa exposição a estranhos. As tripulações de voo tiveram que aplicar coberturas faciais adequadas – um trabalho perigoso em tempos de polarização. Alguns passageiros se recusaram a obedecer e se tornaram beligerantes; em casos extremos, eles até socaram e chutaram os comissários.

— Os comissários não gostam de ser policiais em aviões — disse David Neeleman, presidente-executivo da empresa Breeze Airways. — Não é algo para o qual eles se inscreveram e acho que cria mais agitação com os clientes.

A Administração Federal de Aviação iniciou quase 1.100 investigações sobre má conduta de passageiros no ano passado, acima da média de 140 por ano na década anterior. A agência iniciou 345 investigações até agora este ano.

Sindicatos que representam comissários de bordo e pilotos pediram às agências federais que façam mais para penalizar os passageiros que são violentos ou ameaçam violência. Alguns legisladores federais propuseram penas mais duras para os condenados por agredir tripulações de voo e colocar esses indivíduos em uma lista de exclusão aérea, mas as perspectivas para a legislação não são claras em um Congresso muito dividido. Alguns republicanos disseram que se opunham a colocar as pessoas em uma lista de exclusão aérea.

O levantamento do requisito de máscara pode ajudar a aliviar alguma tensão, e alguns atendentes disseram que isso daria aos membros da tripulação uma ferramenta importante para diminuir conflitos: seus rostos.

— Mesmo apenas um sorriso, mesmo apenas para dizer 'bom dia', 'boa tarde', 'bem-vindo a bordo'. Espero que isso ajude a diminuir a tensão a bordo também — disse Lyn Montgomery, presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Transporte Local, que representa cerca de 17 mil comissários de bordo da Southwest Airlines. — Parece uma coisa pequena, mas na verdade é algo que usamos bastante.

As companhias aéreas, que passaram meses pedindo o fim da exigência de máscaras, foram rápidas em descartar a aplicação da regra – algumas tripulações até anunciaram durante os voos que os passageiros estavam livres para tirar suas máscaras. A indústria está claramente esperando que a mudança a beneficie, permitindo que ela se concentre novamente na venda de serviços aos clientes.

Em outro sinal de retorno a uma situação mais pré-pandêmica, a American Airlines se tornou a última grande companhia aérea a reiniciar as vendas de álcool na segunda-feira. A decisão foi anunciada no mês passado, após suspendê-los no início da pandemia.

As companhias aéreas já estão desfrutando de uma recuperação robusta que resistiu a um aumento nas infecções por coronavírus causadas pela variante Omicron e ao aumento das tarifas, que foram impulsionadas em grande parte pelo aumento no custo do combustível de aviação devido à invasão da Ucrânia pela Rússia.

Na semana passada, a Delta Air Lines informou que março foi seu melhor mês de vendas de todos os tempos. Em todo o setor, as tarifas para voos domésticos aumentaram 40% este ano, saindo de US$ 235 para US$ 330 para um voo doméstico médio de ida e volta, de acordo com o Hopper, um aplicativo de rastreamento de passagens aéreas.

— Não acredito que o fim da exigência de máscara tenha qualquer efeito mensurável no volume de passageiros — disse Henry Harteveldt, presidente do Atmosphere Research Group, uma empresa de pesquisa de marketing de viagens. — As tarifas aéreas mais altas e a falta de assentos a preços acessíveis provavelmente serão maiores dissuasores para as pessoas que viajam neste verão.

Mas executivos de companhias aéreas e grupos que representam o setor de hospitalidade esperam que o fim do mandato da máscara leve a outras mudanças que possam aumentar a demanda por passagens. Eles também estão, por exemplo, pressionando o governo Biden a suspender a exigência de que viajantes que pretendam vir para os Estados Unidos de outro país obtenham um teste de coronavírus negativo no dia anterior ou no dia do voo. O requisito se aplica a cidadãos dos EUA e pessoas que foram vacinadas contra o vírus.

— Esse requisito oferece poucos benefícios à saúde, mas desencoraja as viagens ao impor um custo adicional, bem como o medo de ficar retido no exterior — disse Nicholas E. Calio, presidente da Airlines for America, uma associação comercial, em uma carta na semana passada destinada aos funcionários federais.

Autoridades do governo e das companhias aéreas de outros países não estão removendo as restrições da pandemia no mesmo ritmo. Autoridades canadenses disseram na terça-feira que o país manterá seus requisitos de máscara para aviões. Algumas companhias aéreas internacionais, incluindo Lufthansa e Air France, cumpriram seus mandatos de máscara para voos de ou para os Estados Unidos, enquanto outras, como a British Airways, disseram que relaxariam suas regras ao voar para cidades e países onde as máscaras não eram necessárias.

A pressão por um rápido retorno ao normal nos Estados Unidos enervou algumas pessoas. Muitos especialistas em saúde pública disseram que a remoção do requisito de máscara aumentaria desnecessariamente a exposição das pessoas ao vírus.

— Estamos em um ponto vulnerável em que um aumento maior pode começar ou isso pode se estabilizar — disse o Dr. Abraar Karan, pesquisador de doenças infecciosas da Universidade de Stanford, ecoando o ponto que os Centros de Controle e Prevenção de Doenças fizeram ao estender o mandato da máscara até 3 de maio. — Durante o primeiro surto da Omicron, vimos principalmente muitos pacientes imunocomprometidos no hospital que precisavam de monitoramento e medicamentos para retardar a progressão da doença. Agora estamos empurrando o fardo de volta para eles para se protegerem.

Os aviões têm sistemas de filtragem de alta qualidade que circulam o ar com frequência, disse David Freedman, professor e presidente eleito da Sociedade Americana de Medicina Tropical e Higiene. Mas há momentos em que o uso de máscaras é especialmente útil, inclusive no aeroporto, na ponte aérea e no avião antes que os motores estejam funcionando e puxando ar fresco para a cabine.

— Viagem aérea é uma atividade contínua, não é apenas sentar em seu assento no avião — disse Freedman, acrescentando que planeja continuar usando uma máscara N-95.

A doutora Mimi Emig, médica infectologista aposentada em Michigan e que é considerada de alto risco para Covid-19, disse que agora está considerando cancelar um voo para Utah para visitar sua filha.

— Eu me sinto muito nervosa — disse a Dra. Emig. Ela se preocupa com a frequência com que os filtros dos aviões são trocados. Ela também está ciente de que, se um passageiro infectado estiver em um assento próximo a ela, o sistema avançado de circulação não ajudará.

— Os EUA acabaram com a Covid, mas a Covid não acabou conosco — disse ela.

Novos casos conhecidos de coronavírus nos EUA começaram a aumentar novamente nos últimos dias. A média diária na segunda-feira foi de mais de 39 mil novos casos, um aumento de 43% em relação a duas semanas antes, de acordo com um banco de dados do New York Times.

Embora o número permaneça muito menor do que o pico de inverno impulsionado pela variante Omicron, os especialistas acreditam que novos casos são cada vez mais subestimados com o aumento dos testes em casa. Além disso, muitas pessoas que são vacinadas e receberam doses de reforço não sofreram doenças graves por terem contraído Omicron.

Embora as máscaras sejam mais eficazes quando todos usam uma, os especialistas dizem que os indivíduos ainda podem se beneficiar de serem a única pessoa na multidão a usar o equipamento de proteção individual.