EUA: CDC mantém suspensão de máscaras apesar do avanço da variante Delta

A justificativa para não retornar com as máscaras é a de que o aumento de casos concentra-se em regiões dos Estados Unidos com taxas de vacinação mais baixas

O Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos (CDC) não revisou sua orientação sobre o uso de máscaras, mesmo com a mais infecciosa variante Delta da covid-19 se espalhando pelo país e aumentando a contagem de casos, disse a diretora do CDC, Rochelle Walensky, nesta quinta-feira.

Em uma teleconferência com jornalistas, Walensky se recusou a dizer se o CDC está considerando mudar a orientação atual. O CDC relaxou em maio sua recomendação sobre o uso de máscaras, permitindo que as pessoas totalmente vacinadas não usem a proteção na maioria dos espaços públicos.

Os comentários desta quinta-feira foram feitos um dia depois de o presidente dos EUA, Joe Biden, dizer que o CDC provavelmente aconselharia as crianças não vacinadas a usarem máscaras na escola, à medida que os distritos escolares em todo o país se preparam para reabrir no próximo ano letivo.

A média de sete dias de novos casos de covid-19 nos Estados Unidos aumentou 53% em relação à semana anterior, disse Walensky. A variante Delta, que foi encontrada pela primeira vez na Índia, agora compreende mais de 80% dos novos casos nos EUA.

Alguns hospitais norte-americanos estão atingindo seus limites de capacidade à medida que os casos de covid-19 continuam aumentando, disse Walensky.

O aumento de casos concentra-se em regiões dos Estados Unidos com taxas de vacinação mais baixas. Flórida, Texas e Missouri respondem por 40% de todos os novos casos no país, com cerca de 1 em 5 de todos os novos casos nos EUA ocorrendo na Flórida, segundo o diretor da força-tarefa da Casa Branca para a covid-19, Jeffrey Zients.

O principal especialista em doenças infecciosas dos EUA, Anthony Fauci, disse que não há razão para as pessoas que receberam a vacina da Johnson & Johnson contra a covid-19 presumirem que precisam receber uma dose adicional das vacinas da Pfizer ou da Moderna para se protegerem contra novas variantes.

Esteja sempre informado sobre as notícias que movem o mercado. Assine a EXAME

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também