A página inicial está de cara nova Experimentar close button
Conheça o beta do novo site da Exame clicando neste botão.

EUA admitem necessidade de rever como fazem a prevenção do ebola

O governo dos Estados Unidos admitiu que precisa rever a forma como vem trabalhando na prevenção de infecções por ebola

O governo dos Estados Unidos admitiu hoje (13) que precisa rever a forma como vem trabalhando na prevenção de infecções por ebola. O diretor do Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC, sigla em inglês), Thomas Frienden, disse em uma entrevista coletiva que a confirmação do caso de contagio da enfermeira Nina Pham, 26 anos, revelou a necessidade de "repensar" protocolos e segurança.

A enfermeira está internada em Dallas, no Texas, e contraiu a doença quando cuidava do liberiano Thomas Duncan, que chegou aos Estados Unidos na última quinzena de setembro, apresentou os sintomas em território americano e faleceu na semana passada.

Frieden disse que, apesar de o país ser capaz de tratar com segurança o ebola de maneira que o contagio seja evitado, o "conhecimento" sobre isso pode não estar sendo disseminado de maneira correta. "Temos que rever a forma com a qual abordamos o controle de infecção do ebola. Até mesmo uma única infecção é inaceitável", disse Frieden hoje na sede do CDC em Atlanta.

Sobre o estado de saúde da enfermeira contaminada, Frienden disse que a paciente está estável mas acrescentou: "O tratamento do Ebola é difícil. Estamos trabalhando para torná-lo mais seguro e mais fácil".

Na coletiva de hoje, Frieden minimizou as críticas que havia feito ao hospital. Ele se desculpou por ter insinuado que a enfermeira teria sido responsável por sua contaminação ao "violar protocolos que a expuseram ao vírus". "Peço desculpas se passei esta impressão", declarou.

Além das declarações do CDC, o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, reuniu-se com seu gabinete para discutir como o sistema de saúde americano pode se preparar para cuidar de doentes.

Hoje outros países também trataram do controle do ebola. O Reino Unido fez um teste para "averiguar a capacidade de resposta" em caso de um surto do vírus em território britânico. No teste, atores fingiram ser pessoas contagiadas por ebola, médicos e enfermeiros simularam a situação de atendimento.

Depois da reunião, foi feita uma reunião do Comitê de Emergência do governo, segundo um comunicado do Departamento de Saúde do país. Na América Latina, a Venezuela também anunciou que aumentará o controle e repasse de informações em portos e aeroportos internacionais.

A epidemia de ebola matou mais de 4.000 pessoas este ano, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), e contaminou mais de 8 mil em cinco países do Oeste africano: Guiné, Libéria, Nigéria, Senegal e Serra Leoa.

 

Editor Fábio Massalli

 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também