• AALR3 R$ 20,06 1.88
  • AAPL34 R$ 70,18 -4.39
  • ABCB4 R$ 16,60 -1.95
  • ABEV3 R$ 14,20 -3.60
  • AERI3 R$ 3,78 -2.83
  • AESB3 R$ 10,66 -1.39
  • AGRO3 R$ 30,75 -2.81
  • ALPA4 R$ 20,98 -2.37
  • ALSO3 R$ 19,47 -3.23
  • ALUP11 R$ 26,41 0.19
  • AMAR3 R$ 2,38 -2.46
  • AMBP3 R$ 30,90 1.95
  • AMER3 R$ 22,96 -0.26
  • AMZO34 R$ 67,68 -6.44
  • ANIM3 R$ 5,52 -3.33
  • ARZZ3 R$ 82,09 -0.82
  • ASAI3 R$ 15,48 -2.21
  • AZUL4 R$ 21,30 -4.01
  • B3SA3 R$ 11,54 -3.03
  • BBAS3 R$ 35,85 -1.59
  • AALR3 R$ 20,06 1.88
  • AAPL34 R$ 70,18 -4.39
  • ABCB4 R$ 16,60 -1.95
  • ABEV3 R$ 14,20 -3.60
  • AERI3 R$ 3,78 -2.83
  • AESB3 R$ 10,66 -1.39
  • AGRO3 R$ 30,75 -2.81
  • ALPA4 R$ 20,98 -2.37
  • ALSO3 R$ 19,47 -3.23
  • ALUP11 R$ 26,41 0.19
  • AMAR3 R$ 2,38 -2.46
  • AMBP3 R$ 30,90 1.95
  • AMER3 R$ 22,96 -0.26
  • AMZO34 R$ 67,68 -6.44
  • ANIM3 R$ 5,52 -3.33
  • ARZZ3 R$ 82,09 -0.82
  • ASAI3 R$ 15,48 -2.21
  • AZUL4 R$ 21,30 -4.01
  • B3SA3 R$ 11,54 -3.03
  • BBAS3 R$ 35,85 -1.59
Abra sua conta no BTG

Este hábito diário pode reduzir as chances de você ter Alzheimer

Estudo diz que pessoas com gengivite precisam ter um cuidado extra
Alzheimer: bactéria da gengivite pode afetar o cérebro (Reprodução/AFP / Miguel Medina)
Alzheimer: bactéria da gengivite pode afetar o cérebro (Reprodução/AFP / Miguel Medina)
Por Maria Eduarda CuryPublicado em 11/06/2019 05:55 | Última atualização em 11/06/2019 14:27Tempo de Leitura: 2 min de leitura

São Paulo - Pesquisadores da Universidade de Bergen, na Noruega, descobriram que a bactéria que causa a gengivite pode ser decisiva para o desenvolvimento de mal de Alzheimer, doença que afeta a memória e outras funções cerebrais do ser humano.

Segundo o pesquisador Piotr Mydel, do Departamento de Medicina Clínica, existe evidência comprovada pelo DNA que demonstra que a bactéria responsável pela inflamação da gengiva pode se locomover da boca para o cérebro. Estando nele, ela é capaz de produzir uma proteína que destrói células presentes no cérebro, o que resulta em uma perda de memória e, em algumas vezes, o Alzheimer por completo.

No entanto, Mydel apontou que a bactéria não faz o trabalho sozinha. O que acontece é que a presença dela aumenta o risco de a doença crescer no indivíduo, e ainda implica uma progressão mais rápida do que em casos comuns.

Para atrasar o aparecimento dos sintomas e o avanço da doença, o estudo cita alguns métodos, como ter o hábito de escovar constantemente os dentes e utilizar fio dental. Parece uma dica simples e óbvia, mas Mydel afirma que é uma prática indispensável para aqueles que já possuem gengivite ou casos de Alzheimer na família.

A evidência no DNA que Mydel e sua equipe possuem é algo inédito na Ciência. Após analisarem 53 pessoas que têm a doença, eles descobriram que a enzima prejudicial estava presente em 96% dos casos. De acordo com o pesquisador, o grupo está trabalhando em uma espécie de remédio que bloqueia a entrada da bactéria e suas enzimas na área cerebral do ser humano.

No Brasil, os dados estatísticos sobre o Alzheimer são pouco estudados. Mas a ONG chamada Instituto Alzheimer Brasil estima que cerca de 100 mil casos novos apareçam anualmente no país.