Egito começa a restaurar máscara danificada de Tutancâmon

Falecido aos 19 anos, em 1.324 a.C, Tutancâmon é atualmente um dos faráos mais famosos do antigo Egito

O Egito iniciou neste sábado a reparação da famosa máscara funerária de Tutancâmon, danificada por uma restauração recente que deixou restos de cola nesta joia arqueológica de 3.300 anos de antiguidade.

Em agosto de 2014, duante as obras realizadas no dispositivo de iluminação do museu do Cairo, a máscara de ouro maciço foi danificada e a barba se desprendeu.

Os funcionários do museu utilizaram uma cola epóxi para colocá-la no lugar, mas deixaram restos do produto na barba simbólica do jovem faraó.

"A máscara de Tutancâmon foi transferida da sala de exposição a outra sala do museu, transformada agora em laboratório para sua restauração", explicou à AFP a porta-voz do ministério de Antiguidades, Mushira Musa.

A porta-voz disse que um alemão especializado na conservação de objetos arqueológicos metálicos e de vidro, Christian Eckmann, estava dirigindo os trabalhos.

Falecido aos 19 anos, em 1.324 a.C, depois de um reinado de nove anos, Tutancâmon é atualmente um dos faráos mais famosos do antigo Egito.

 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.