Ciência

Covid-19: Qual a eficácia das vacinas contra a variante Delta?

Entenda o que novos estudos indicam sobre a eficácia das vacinas Pfizer, AstraZeneca CoronaVac e Janssen contra a variante originada na Índia

Coronavírus: tendência do vírus é criar novas cepas para sobreviver (Stephane Mahe/Reuters)

Coronavírus: tendência do vírus é criar novas cepas para sobreviver (Stephane Mahe/Reuters)

LP

Laura Pancini

Publicado em 30 de julho de 2021 às 07h00.

Última atualização em 25 de agosto de 2021 às 14h07.

Mais uma cepa do SARS-CoV-2 se espalha pelo mundo. A variante Delta, que teve seu primeiro caso confirmado na Índia, já chegou em algumas cidades do Brasil, ao mesmo tempo que diversos estudos estão sendo conduzidos para determinar a eficácia das vacinas contra a cepa.

A Delta vem se tornando predominante até em países mais avançados na campanha de vacinação, já que a cepa conta com mutações que ajudam o vírus a escapar da resposta imune produzida pelas vacinas ou seja, é mais transmissível.

Nos Estados Unidos, por exemplo, 50% da população já está totalmente imunizada e 80% dos novos casos são por conta da variante.

Vale ressaltar, porém, que todas as variantes tendem a ser mais infecciosas, porque o objetivo do vírus é justamente achar novas formas de se propagar. Com a vacinação consideravelmente lenta e a população nas ruas, o SARS-CoV-2 continua circulando e novas cepas se formam.

Para descobrir a eficácia de cada vacina disponível contra a cepa, a comunidade científica e as empresas farmacêuticas por trás dos imunizantes vêm desenvolvendo uma série de estudos.

Nenhum deles é conclusivo por enquanto, mas cada um ofere informações valiosas sobre a infecção sintomática da variante Delta nas vacinas disponíveis no Brasil. Veja:

AstraZeneca/Oxford

Estudo do Reino Unido

Publicado no New England Journal of Medicine, a pesquisa mostrou que a vacina da Universidade de Oxford é 33% eficaz contra a variante Delta com uma dose e 60% eficaz após duas doses (e quinze dias de espera).

Estudo do Canadá

Não revisado por pares, a pesquisa canadense publicada no servidor MedRxiv indica que o imunizante é 67% eficaz a partir de 14 dias após a primeira dose. Não há dados suficientes para duas doses.

Estudo da Escócia

Publicado como uma carta ao jornal científico Lancet, a pesquisa baseada na Escócia indica que a vacina da AstraZeneca é 60% eficaz pelo menos 14 dias após a segunda dose.

Pfizer/BioNTech

Estudo do Reino Unido

Mesma pesquisa britânica que a da AstraZeneca mostrou que o imunizante da Pfizer é 33% eficaz com uma dose e 88% eficaz quinze dias depois da segunda dose contra a cepa originada na Índia.

Estudo do Canadá

A vacina da Pfizer mostrou ser 56% eficaz a partir de 14 dias após a primeira dose e 87% eficaz após duas doses. Vale lembrar que o estudo canadense não foi revisado por pares.

Estudo da Escócia

A pesquisa escocesa divulgou apenas resultados considerando a segunda dose. No caso da Pfizer, o imunizante se mostrou 79% eficaz contra a variante Delta, pelo menos 14 dias após a segunda dose

Estudo de Israel

De acordo com pesquisa realizada pelo Ministério da Saúde de Israel, a eficácia da vacina na prevenção de infecções e doenças sintomáticas caiu para 64%. Ao mesmo tempo, a vacina foi 93% eficaz na prevenção de hospitalizações e doenças graves causadas pelo coronavírus.

CoronaVac

No início de julho, o diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, afirmou que o imunizante chinês produzido no Instituto Butantan apresentou bons resultados contra a variante Delta em testes realizados em laboratório.

O porta-voz da Sinovac, farmacêutica chinesa responsável pela Coronavac, Liu Peicheng, disse à Reuters que os resultados preliminares baseados em amostras de sangue dos vacinados mostraram uma redução de três vezes no efeito neutralizante contra a Delta.

Peicheng acredita que uma dose de reforço pode provocar uma reação mais forte e duradoura contra a cepa, mas não forneceu mais detalhes. Nenhum estudo foi publicado e ainda faltam mais informações sobre a eficácia da CoronaVac contra a Delta.

Janssen/Johnson&Johnson

A Johnson & Johnson anunciou no início de julho que sua vacina de dose única é eficaz contra a variante Delta.

De acordo com pesquisadores, os anticorpos e as células do sistema imunológico de oito pessoas inoculadas com a vacina da J&J neutralizaram efetivamente a cepa. Um segundo estudo realizado em Israel teve resultados parecidos.

Os resultados foram submetidos ao bioRxiv, site de relatórios científicos ainda não revisado por pares. Assim como a CoronaVac, mais pesquisas precisam ser feitas para estimar uma porcentagem.

Por que os números variam?

A vida é diferente dos ensaios clínicos. Todos os estudos têm resultados que variam porque não há como controlar o número de vacinados, a circulação do vírus e o impacto dele em cada corpo. Cada resultado será diferente porque os ensaios clínicos coletam informações de regiões e pessoas diferentes.

Além disso, os números podem variar porque dependem de fatores como altura, idade e país de cada participante (e já ter tido infecção por covid-19 faz diferença também).

  • Não perca as últimas tendências do mercado de tecnologia. Assine a EXAME.
De 0 a 10 quanto você recomendaria Exame para um amigo ou parente?

 

Clicando em um dos números acima e finalizando sua avaliação você nos ajudará a melhorar ainda mais.

Acompanhe tudo sobre:AstraZenecaBrasilCoronavírusJohnson & JohnsonPfizerSinovac/Coronavacvacina contra coronavírus

Mais de Ciência

Einstein estava certo sobre a gravidade em buracos negros, diz estudo

'Saquinho' de nicotina ganha adeptos para perda de peso

Usuários do Wegovy mantêm perda de peso por quatro anos, diz Novo Nordisk

Meteoros de rastros do Halley podem ser vistos na madrugada de domingo

Mais na Exame