De startup a renomada farmacêutica: o novo tamanho da Moderna

Antes sem um produto no mercado, empresa é uma das principais fabricantes de vacinas. E pode se mover rápido no mercado com novas tecnologias
Moderna: vacina tornou empresa numa gigante da indústria farmacêutica (JUSTIN TALLIS / AFP/Getty Images)
Moderna: vacina tornou empresa numa gigante da indústria farmacêutica (JUSTIN TALLIS / AFP/Getty Images)
Por Thiago LavadoPublicado em 05/08/2021 06:00 | Última atualização em 04/08/2021 22:00Tempo de Leitura: 2 min de leitura

Esta reportagem faz parte da newsletter EXAME Desperta. Assine gratuitamente e receba todas as manhãs um resumo dos assuntos que serão notícia.

Poucas empresas ganharam tanto escopo durante a pandemia de covid-19 como a farmacêutica Moderna. Até o ano passado, a empresa, que hoje é uma das principais fabricantes de vacinas de alta tecnologia, era uma obscura startup com promessa de revolucionar o mercado de medicina.

Nesta quinta-feira, a farmacêutica, que tem capital aberto nos EUA, irá divulgar os resultados do segundo trimestre. A expectativa não poderia ser mais baixa entre investidores: as ações subiram 410% no último ano — 8,4% apenas no pregão que antecedeu o resultado.

A Moderna apresentou seus primeiros lucros no primeiro trimestre deste ano e o resultado não deve ser diferente no segundo período. O faturamento esperado pela empresa no período é de 4,2 bilhões de dólares. No mesmo período de 2020, a Moderna havia tido receita 66 milhões. A alta é de 63 vezes.

A demanda por vacinas contra a covid-19 ainda continua alta e a Moderna pode dar sinais de como está se saindo a produção — entre 800 milhões e 1 bilhão de doses foram anunciadas para este ano. Com a chegada da variante Delta e diversos órgãos de saúde contemplando uma dose extra para aumentar a imunidade, é possível que isso se reflita nas expectativas que a própria farmacêutica pode apresentar nesta quinta.

Mas, além da covid-19, a Moderna é uma empresa que prometeu mudanças, principalmente com a tecnologia de RNA Mensageiro funcionando. A Moderna tem drogas em testes para tratar doenças complexas, como câncer ou condições genéticas raras. Outras vacinas estão nos planos, para tratar vírus como Nipah ou Zika, e até Aids. Dez imunizantes da empresa estão ou aguardam início de testes.

A empresa planeja inclusive uma super-vacina: uma dose anual que preveniria diversas doenças respiratórias, da covid-19 à gripe comum.

Sentada em um caixa de 8 bilhões de dólares, e com uma tecnologia que pode revolucionar a indústria, a Moderna tem grandes aspirações e pode se mover rápida e agressivamente nesse mercado. Um lapso desse futuro pode ser apresentado pela companhia hoje.