De onde virá a vacina contra covid-19? Quatro países lideram corrida

Reino Unido, China, Estados Unidos e Rússia tentam alcançar linha de chegada mais rápido. Mas quem vai conseguir?

Até o momento, segundo o último relatório publicado pela Organização Mundial da Saúde (OMS), seis vacinas contra o novo coronavírus estão na última fase de testes clínicos. São elas a britânica da Universidade de Oxford em parceria com a biofarmacêutica AstraZeneca, a chinesa Sinovac, as da Sinopharm em parceria com Wuhan e Pequim, a americana Moderna e a também americana da Pfizer em parceria com a alemã BioNTech.

Outras 20 estão também em testes clínicos, enquanto mais 139 estão em desenvolvimento — totalizando 164 tentativas no mundo todo.

De todas as vacinas, quatro países se destacam em termos de testes e criam uma nova corrida científica que lembra os tempos da Guerra Fria. Dessa vez, quem chega primeiro, terá não só o sucesso científico, mas também econômico ao produzir uma proteção capaz de preencher todos os requisitos para que uma vacina seja distribuída.

São eles: o Reino Unido, a China, os Estados Unidos e a Rússia — que, embora ainda não tenha divulgado nenhum estudo científico sobre suas vacinas, afirmou na noite desta terça-feira, 28, que uma delas estará pronta já em agosto e que 200 milhões de doses serão distribuídas. Somente a Rússia não aparece na lista da OMS como um dos países com uma vacina na última fase de testes.

Uma vacina ideal contra o vírus deve ser efetiva após uma ou duas doses, trabalhar em grupos de risco, como adultos e pessoas com condições pré-existentes, garantir uma proteção de, no mínimo, seis meses e reduzir a infecção pelo SARS-CoV-2.

Até o momento, é claro que nenhuma das opções em potencial realizou esse feito.

As 6 vacinas em fase 3:

Sinovac Biotech: a vacina chinesa que começou os testes em fase 3 no Brasil na última segunda-feira, 20, pretende fabricar até 100 milhões de doses anuais. Por aqui, 9 mil profissionais da área da saúde receberão a vacina.

Sinopharm (versões de Wuhan e Pequim): as vacinas com base em vírus inativado, que se mostraram capazes de produzir resposta imune ao vírus, começaram as fases 3 de testes neste mês nos Emirados Árabes Unidos. Cerca de 15 mil voluntários participaram do período de testes e a empresa chinesa acredita que a opção estará disponível para o público já no final do ano. 

Oxford e AstraZeneca: os resultados preliminares das fases 1 e 2 da vacina com mais de mil pessoas mostraram que ela foi capaz de induzir uma resposta imune à doença. As fases dois (que ainda está ocorrendo no Reino Unido) e três de testes (acontecendo no Reino Unido, Brasil e África do Sul) devem garantir a eficácia completa dela. A opção é tida como a mais promissora pela OMS.  

Moderna: empresa americana iniciou última fase de testes de sua vacina baseada no RNA mensageiro nesta segunda, 27. O teste vai incluir 30 mil pessoas nos Estados Unidos e o governo investiu pesado: cerca de 1 bilhão de dólares para apoiar a pesquisa. A expectativa da empresa é produzir 500 milhões de doses por ano. 

Pfizer e BioNTech: a vacina agora também está na fase três de testes e também usa o RNA mensageiro, que tem como objetivo produzir as proteínas antivirais no corpo do indivíduo. A expectativa é testar a vacina em aproximadamente 30.000 voluntários com idades entre 18 e 85 anos no mundo. Desse total, 1.000 serão testados no Brasil. Se tudo der certo, a expectativa é que a eficácia da vacina seja comprovada até o outubro. A empresa espera produzir até 100 milhões de doses até o fim do ano. Outras 1,3 bilhão de doses podem ser fabricadas no ano que vem.

Você já leu todo conteúdo gratuito deste mês.

Assine e tenha o melhor conteúdo do seu dia, talvez o único que você precise.

Já é assinante? Entre aqui.

Deseja assinar e ter acesso ilimitado?

exame digital

R$ 15,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

exame digital + impressa

R$ 44,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis
Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.