Crianças mais novas carregam maiores níveis da covid-19, diz estudo

Estudo vem à tona em um momento em que governos mundiais insistem fortemente no retorno às aulas e creches

Crianças com idades abaixo de cinco anos têm entre 10 a 100 vezes mais material genético do novo coronavírus em seus narizes em comparação a crianças mais velhas ou adultos, diz um estudo publicado no periódico JAMA Pediatrics nesta quinta-feira (30).

Segundo os autores, isso significa que crianças mais novas são importantes vetores da covid-19 nas comunidades, algo que faz sentido no cenário observado desde o início da pandemia.

O estudo vem à tona em um momento em que o governo americano insiste fortemente no retorno às aulas e creches no país, como um elemento que ajudaria na recuperação econômica.

Entre 23 de março e 27 de abril, pesquisadores realizaram testes de RT-PCR, no qual há a coleta por meio do swab (cotonete), em 145 pacientes de Chicago que tinham níveis médios a moderados da doença, ao longo de uma semana desde o início dos sintomas.

Os pacientes foram divididos em três grupos: 46 crianças abaixo dos cinco anos, 51 crianças com idades entre cinco e 17 anos, e 48 adultos com idades entre 18 e 65 anos.

A equipe, liderada pelo Dr. Taylor Heald-Sargent do Hospital Infantil Ann & Robert H. Lurie, observou “uma quantidade 10 a 100 vezes maior de SARS-CoV-2 no trato respiratório superior de crianças pequenas”.

Os autores acrescentaram que um estudo recente realizado em laboratório demonstrou que quanto mais material genético viral estivesse presente, mais vírus infecciosos podem se reproduzir.

Também já foi mostrado anteriormente que crianças com altas cargas do vírus respiratório sincicial (RSV) têm maior probabilidade de espalhar a doença.

“Assim, as crianças pequenas podem ser potencialmente importantes transmissores da propagação da SARS-CoV-2 para a população em geral”, escreveram os autores.

“Os hábitos comportamentais das crianças pequenas, nos bairros próximos das escolas e nas creches aumentam a preocupação com a disseminação do SARS-CoV-2 nessa população, à medida que as restrições à saúde pública são reduzidas”, concluíram.

As novas descobertas vão de encontro ao atual pensamento entre as autoridades de saúde de que crianças pequenas – que têm muito menos probabilidade de ficar gravemente doentes com o vírus – também não o espalham muito para outras pessoas.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.

Você já leu todo conteúdo gratuito deste mês.

Assine e tenha o melhor conteúdo do seu dia, talvez o único que você precise.

Já é assinante? Entre aqui.

Plano mensal Revista Digital

Plano mensal Revista Digital + Impressa

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis

R$ 15,90/mês

R$ 44,90/mês

Plano mensal Revista Digital

Acesse ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

ASSINE

Plano mensal Revista Digital + Impressa

Acesse ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças + Edição impressa quinzenal com frete grátis.

ASSINE