Acompanhe:

Contagem regressiva para primeira aterrissagem em cometa

A sonda Rosetta da Agência Espacial Europeia, equipamento astronômica está há dez anos viajando pelo Sistema Solar e vai aterrisar em um cometa em voo nesta segunda

Modo escuro

Continua após a publicidade

	Os astrônomos consideram que os cometas podem ser comparados aos primeiros tijolos com que o Sistema Solar foi construído
 (Divulgação/Nasa)

Os astrônomos consideram que os cometas podem ser comparados aos primeiros tijolos com que o Sistema Solar foi construído (Divulgação/Nasa)

D
Da Redação

Publicado em 19 de janeiro de 2014 às, 13h15.

Paris - A sonda Rosetta da Agência Espacial Europeia, equipamento astronômica que está há dez anos viajando pelo Sistema Solar, prepara-se para sair amanhã de sua hibernação e preparar a primeira aterrissagem da história em um cometa em voo.

'Tenho bastante confiança em que funcionará. O momento-chave será o 'despertar' da sonda após quase dois anos e meio em hibernação', explicou à Agência Efe Nicolas Altobelli, um dos cientistas da ESA que participam da missão.

Os astrônomos consideram que os cometas podem ser comparados aos primeiros tijolos com que o Sistema Solar foi construído e, talvez, os veículos que trouxeram água à Terra e possibilitaram a aparição da vida.

'Acredita-se que tenham surgido no início do Sistema Solar, há cerca de 4,5 bilhões de anos, e que se mantêm quase idênticos ao que eram em seu nascimento', acrescenta o especialista.

Para resolver esses e outros enigmas, a ESA consagrou 1 bilhão de euros (cerca de US$ 1,365 bilhão) a essa ambiciosa missão que decolou em março de 2004 a bordo de um foguete Ariane 5 desde o Centro Espacial Europeu de Kuru, na a Guiana Francesa rumo ao cometa 67P/Churyumov-Gerasimenko.

Desde então, Rosetta traçou uma complexa série de órbitas, aproveitando em quatro ocasiões o impulso gravitacional da Terra (2005, 2007, 2009) e de Marte (2007), e chegou ao momento-chave de sua tarefa.

Se tudo sai como está previsto, nesta segunda-feira às 10h GMT (8h de Brasília) o relógio do computador central da nave fará soar o despertador e Rosetta, hibernando para economizar combustível, apontará com sua antena à Terra e voltará a enviar informações às estações de controle.


O aparelho, que viaja a 135 mil km/h, estará ainda a 9 milhões de quilômetros de seu alvo. Para começar a preparar a ambiciosa aterrissagem, primeiro o dispositivo precisará provar que todos seus instrumentos científicos funcionam corretamente após o longo percurso.

Em maio, quando a Rosetta estiver a apenas 2 milhões de quilômetros de seu anfitrião, fará a que se considera a manobra crítica, na qual corrigirá sua velocidade e sua trajetória, e começará a enviar fotografias do 67P/Churyumov-Gerasimenko.

Em agosto, mais de dez anos após sair da Terra, chegará às proximidades do cometa. Então se dedicará a cartografar a superfície e enviará dados à Terra para encontrar 'o melhor lugar de aterrissagem'.

Uma vez selecionado o ponto ideal, a sonda liberará um veículo de 100 quilos, Philae, que posará sobre o cometa.

'Ele lançará arpões ao chão para se ancorar, porque a gravidade é muito baixa e, não fosse assim, rebateria', resume Altobelli, que explica que a quase ausência de gravidade faz com que a aterrissagem seja, em princípio, mais complexo que o de um aparelho similar na superfície de Marte.

Esse veículo, que dispõe de nove ferramentas como indicadores de gás, câmeras panorâmicas e sondas para analisar as ondas de rádio do núcleo, passará entre um e dois meses fazendo fotografias e recolhendo mostras que analisará junto com sua sonda matriz, que orbitará, enquanto isso, ao redor do cometa.

Quando seus painéis solares se cobrirem de pó, Philae deixará de funcionar. Mas a sonda Rosetta permanecerá orbitando ao redor do cometa e reunindo dados durante pelo menos mais um ano.

Para isso conta com dez complexos instrumentos científicos, entre os quais estão o telescópio Alice, desenhado para captar a faixa eletromagnética ultravioleta, a câmera Osiris, e vários espectrômetros de massa para analisar o pó e a atmosfera do cometa.

O 67P/Churyumov-Gerasimenko passará por seu ponto mais próximo ao sol (agosto de 2015), enquanto Rosetta segue orbitando ao seu redor e colhendo dados.

'Pela primeira vez seremos capazes de analisar um cometa durante um longo período de tempo' e isso nos dará 'uma visão interna de como trabalha um cometa para nos ajudar a decifrar o papel que desempenham no Sistema Solar', sintetiza Matt Taylor, cientista que atua na missão. EFE

Últimas Notícias

Ver mais
Telescópio James Webb pode ter descoberto mistério de supernova de 1987
Ciência

Telescópio James Webb pode ter descoberto mistério de supernova de 1987

Há 9 horas

Qual é a origem da Lua? Agência espacial do Japão diz ter pistas
Ciência

Qual é a origem da Lua? Agência espacial do Japão diz ter pistas

Há 12 horas

Empresa dos EUA consegue levar sonda à superfície da Lua após 52 anos
Ciência

Empresa dos EUA consegue levar sonda à superfície da Lua após 52 anos

Há um dia

12 anos da missão Juno: veja imagens impressionantes de Júpiter capturadas pela Nasa
Ciência

12 anos da missão Juno: veja imagens impressionantes de Júpiter capturadas pela Nasa

Há um dia

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais