Estamos de cara nova! E continuamos com o conteúdo de qualidade.
Nova Exame

Como o pouso do foguete da SpaceX no mar muda viagem a Marte

Uma grande aterrissagem para a humanidade: a empresa de Elon Musk pousou um foguete em uma plataforma marítima e isso pode mudar a exploração espacial

São Paulo – A SpaceX, liderada pelo bilionário Elon Musk, conseguiu um feito inédito na noite da última sexta-feira (8): aterrissar um foguete que esteve na órbita terrestre em uma plataforma marítima no Atlântico

Foram cinco tentativas ao longo de um ano e meio até que a companhia conseguisse realizar esse pouso histórico do foguete chamado Falcon 9, que tem implicações diretas na realização de uma viagem e até da colonização do planeta Marte, na visão de Musk. 

"Isso aumenta dramaticamente a minha confiança de que uma cidade em Marte é possível", afirmou Musk, quando conseguiu pousar seu primeiro foguete. 

Na semana passada, o Falcon 9 lançou a cápsula Dragon ao espaço para levar suprimentos à Estação Espacial Internacional e voltou à Terra para pousar sobre uma plataforma marítima móvel, que se posicionou da forma mais adequada para receber o foguete. 

Dois tipos de pouso 

Esta é a segunda vez que a SpaceX pousa um foguete. Em dezembro do ano passado, a companhia trouxe de volta à Terra outra unidade do Falcon 9, que aterrissou em terra firme em Cabo Canaveral. 

A diferença entre os dois tipos de pousos é o gasto de combustível. Para chegar a um ponto determinado em terra firme, o foguete precisa queimar combustível e há também o consumo necessário para que o foguete se ajuste para aterrissar verticalmente, sem tombar e explodir.  

Como a plataforma marítima se desloca para o melhor ponto em alto mar para receber o Falcon 9, o gasto de combustível é menor, já que ele só precisa usá-lo para ajustar sua posição e minimizar o impacto. 

Redução de custos 

Aliás, o corte de custos é a premissa da SpaceX desde que começou a realizar testes dessa natureza. Uma unidade do Falcon 9 custa 60 milhões de dólares e normalmente seria descartada após uma viagem. A reutilização seria menos onerosa, uma vez que reabastecê-lo significaria um gasto entre 200.000 e 300.000 dólares – fora eventuais reparos necessários. 

Ou seja, com isso, enviar cápsulas de suprimentos e materiais para a colonização de Marte se tornará algo mais barato do que antes do pouso do Falcon 9. 

"Para que nós realmente possamos oferecer acesso ao espaço, temos que conseguir a reutilização completa e rápida. E ser capaz de fazer isso com o principal propulsor de foguete terá um enorme impacto no custo", disse Musk, durante uma coletiva de imprensa após a aterrissagem do Falcon 9. Vale lembrar que a SpaceX chegou a promover um voo comercial para a Lua, mas ele não chegou a acontecer.

A presidente e chefe de operações da SpaceX, Gwynne Shotwell, espera uma redução de custos de cerca de 30% no valor de lançamentos de foguetes. Com isso, todo o programa espacial dos Estados Unidos deve ter uma economia sensível. Isso porque a SpaceX leva cargas para a estação espacial da Nasa desde 2010.  

Logo, a agência espacial americana não hesitou em parabenizar o feito da empresa de Elon Musk. "Bela forma de pousar e enviar a Dragon para a estação espacial", disse a Nasa, no Twitter.  

No entanto, vale lembrar que apesar da ambiciosa visão de Musk de criar uma colônia humana em Marte, a SpaceX não é a única empresa que consegue pousar foguetes – apesar de ser a única a fazer isso no mar. A Blue Origin, que pertence a Jeff Bezos, o fundador da Amazon, também realizou sua primeira aterrissagem em terra firme em novembro do ano passado. Esse foguete chamado Vulcan, porém, tinha ido a uma altitude menor: 100 km. 

Com isso, as duas companhias planejam oferecer foguetes reutilizáveis, dessa maneira, tornando a exploração espacial menos custosa.  

Veja a seguir a aterrissagem da Falcon 9, sob a perspectiva do foguete.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também