Cientistas decodificam código genético do bonobo

O bonobo é o último dos chamados grandes símios a ter seu genoma decodificado, depois do chimpanzé, do gorila e do orangotango

Paris - Cientistas anunciaram nesta quarta-feira ter decodificado o código genético do bonobo e descobriram que o símio têm um DNA mais próximo dos humanos do que de seu parente mais próximo, o chimpanzé.

O bonobo é o último dos chamados grandes símios a ter seu genoma decodificado, depois do chimpanzé, do gorila e do orangotango.

Os dados, que os cientistas esperam que ajude a lançar luz sobre a linhagem humana, foram obtidos de Ulindi, fêmea de bonobo do zoológico de Leipzig.

Eles demonstraram que mais de 3% do genoma humano, que contêm nossos dados hereditários codificados no DNA, são mais próximos tanto do genoma do bonobo quanto do chimpanzé do que dos dois símios que entre si.

A informação "abre a possibilidade de medir com precisão a diversidade genética e, consequentemente, a história populacional do ancestral (comum)", destacou a equipe de pesquisas internacional no estudo publicado na revista Nature.

O bonobo e o chimpanzé são os parentes vivos mais próximos do homem.

O estudo genético demonstrou que os humanos diferem cerca de 1,3% dos bonobos ou dos chimpanzés, que por sua vez diferem cerca de 0,4% entre si.

Embora sejam similares em muitos aspectos, os símios africanos diferem em comportamentos sociais e sexuais importantes e alguns demonstram mais similaridade com os humanos do que entre si.

Os machos dos chimpanzés competem agressivamente por domínio e sexo, unem forças para defender seu território e atacam outros grupos.


Os machos de bonobos, no entanto, costumam ser subordinados às fêmeas, não competem por hierarquia e não tomam parte em confrontos. São animais brincalhões que fazem sexo por diversão e não apenas para se reproduzir.

"Tanto chimpanzés quanto bonobos possuem características específicas que são mais similares às dos humanos do que são entre si", destacou o estudo.

A pesquisa demonstrou que um ancestral comum "pode, de fato, ter tido um mosaico de características, inclusive algumas agora vistas em bonobos, chimpanzés e humanos".

Os chimpanzés se espalham ao longo da África equatorial, enquanto os bonobos se restringem ao sul do Rio Congo, na República Democrática do Congo.

Devido ao seu hábitat pequeno e remoto, os bonobos foram a última espécie de símio "descoberta" nos 1920, e são os mais raros de todos os símios em cativeiro.

Para o cientista Kay Pruefer, biólogo do Instituto Max Planck de Antropologia Evolutiva, em Leipzig, Alemanha, a pesquisa forneceu mais informações sobre bonobos e chimpanzés do que sobre os humanos.

"Esperamos que o entendimento das diferenças entre bonobos e chimpanzés nos ajude, um dia, a entender como era o ancestral comum (de humanos, chimpanzés e bonobos)", declarou à AFP.

"Seria muito interessante porque nos informaria qual foi o novo traço que os humanos adquiriram em sua evolução ao longo de milhões de anos", concluiu.

Os cientistas explicaram que o sequenciamento genético demonstrou que bonobos e chimpanzés não se misturaram ou cruzaram entre si depois que seus caminhos se separaram geograficamente, cerca de dois milhões de anos atrás, provavelmente na época da formação do Rio Congo.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também