Cientistas criam capacete que protege médicos e enfermeiros do coronavírus

Pesquisadores da University of Michigan criaram protótipo de capacete que pode evitar que equipes médicas se contaminem

Na linha de frente no combate ao novo coronavírus, médicos e enfermeiros têm se arriscado diariamente ao cuidar dos pacientes que chegam em massa aos hospitais com sintomas leves ou graves de Covid-19.  No Brasil, por exemplo, 108 enfermeiros já morreram pela doença e já são mais de 4,1 mil infectados. Nos EUA, 27 enfermeiros morreram, enquanto na Espanha foram 42 profissionais. Acredita-se que 90 mil funcionários de hospitais já se contaminaram no mundo.

Pensando nesse grave problema, pesquisadores da Universidade de Michigan, nos EUA, criaram um capacete e uma tenda que diminuem consideravelmente o risco de pegar o novo coronavírus pelo ar.  Através de filtros e sucção, o capacete cria uma pressão negativa interna e suga o ar contaminado que a pessoa com Covid-19 expele ao tossir ou falar. A tenda ao redor do paciente funciona de modo similar, com bombas que sugam o ar e impedem que partículas do paciente contaminem o ar e sejam aspiradas pela equipe médica.

As invenções foram divulgadas no International Journal of Tuberculosis and Lung Disease. Ainda protótipos, elas ainda não foram testadas em hospitais para saber a porcentagem de eficácia da invenção, mas os pesquisadores acreditam que será eficiente. Testado em laboratório, o capacete diminuiu a emissão de partículas em 97-99%.

Tanto o capacete quanto a tenda devem ser usados pelo paciente contaminado que está internado no hospital. Profissionais que estão transportando pacientes contaminados também poderão usar o capacete.

Segundo Nathan Haas, da Universidade de Michigan (UM), o capacete custaria menos de 150 dólares. Eles esperam a aprovação da FDA (United Stares Food And Drug Administration) para fabricar em massa e comercializar as invenções ainda em 2020.

Tendas de pressão negativa não são exatamente uma novidade e existem em hospitais desde os anos 1980, mas são caras e custam cerca de 12 mil dólares. A ideia de Haas é oferecer uma versão barata e acessível.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?

Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?

Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 15,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

exame digital + impressa

R$ 44,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis

Já é assinante? Entre aqui.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.