Cientistas brasileiros descobrem 25 aglomerados estelares

"Nós, brasileiros, somos capazes de desenvolver técnicas que são de primeira linha nas pesquisas mundiais", afirma Wagner Corradi, do LNA e da UFMG

Um grupo de pesquisadores da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) descobriu 25 aglomerados estelares inéditos. A pesquisa, feita sem o uso da Inteligência Artificial, foi conduzida somente com a supervisão humana e com o satélite Gaia, da Agência Espacial Europeia.

Para entender como funcionam os aglomerados, segundo o diretor do Laboratório Nacional de Astrofísica (LNA), do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações, e professor da UFMG, Wagner Corradi, basta pensar em um estádio de futebol cheio em uma final de campeonato (obviamente, sem a pandemia do novo coronavírus). Imagine o Maracanã, no Rio de Janeiro, lotado. A ideia é identificar uma família que foi assistir a uma partida do Flamengo versus Fluminense.

As informações que você tem disponíveis para encontrá-la são a distância dela até o ponto onde você está, as movimentações que ela faz em grupo até o banheiro, por exemplo, além das características físicas que os membros têm em comum.

O mesmo aconteceu durante a procura pelos aglomerados estelares.

Cientistas brasileiros superam IA e descobrem 25 aglomerados estelares Constelação do Escorpião (cauda) e as estrelas membro dos aglomerados estelares UFMG 23, UFMG 29 e UFMG 22 (círculos azuis à esquerda, de cima para baixo) e UFMG 47 e UFMG 30 (no lado direito). Em vermelho, sem círculos, indicam objetos da lista inicial que foram reportados por outros autores, enquanto se finalizava a pesquisa. (Fonte: autor, criada com o Aladin Sky Atlas e dados do Satélite Gaia)

Constelação do Escorpião (cauda) e as estrelas membro dos aglomerados estelares UFMG 23, UFMG 29 e UFMG 22 (círculos azuis à esquerda, de cima para baixo) e UFMG 47 e UFMG 30 (no lado direito). Em vermelho, sem círculos, indicam objetos da lista inicial que foram reportados por outros autores, enquanto se finalizava a pesquisa. (Fonte: autor, criada com o Aladin Sky Atlas e dados do Satélite Gaia) (UFMG/Divulgação)

A príncipio, o foco era um único aglomerado. Mas o pós-doutorando Filipe Ferreira Andrade, do programa de pós-graduação em física da UFMG, acabou encontrando outros em volta do primeiro objeto de estudo. Depois, outras famílias de estrelas foram encontradas — essas não haviam sido descobertas por nenhum outro país ou grupo de pesquisadores no mundo.

“Nosso trabalho é um trabalho de detetive de conseguir reconhecer o objeto”, explica Corradi, em entrevista por telefone à EXAME.

O uso da inteligência artificial não foi o principal responsável pelo encontro estelar. De acordo com Corradi, todo o desenvolvimento da pesquisa foi feito com a supervisão humana.

“Outros pesquisadores pegam o computador e configuram tudo, o computador procura de forma cega, e eventualmente acha muita coisa, mas perde muita coisa também. A gente fez de maneira supervisionada. Usamos os computadores para armazenamento dos dados, mas guiamos nossos passos com a perspicácia humana”, diz Corradi.

A importância dos 25 aglomerados descobertos por cientistas brasileiros, para Corradi, é imensa.

“À medida que vamos estudando isso, beneficiamos também toda a comunidade científica, você desenvolve equipamentos muito sensíveis, técnicas que são utilizadas em muitas outras situações. Com a pesquisa, produzimos um volume de dados muito grande. Mais importante e tão importante quanto coletar os dados é você analisá-los, é você ter técnicas para tirar o que os dados têm de melhor”, afirma Corradi. “A gente mostra para o mundo que nós, brasileiros, somos capazes de desenvolver técnicas que são de primeira linha nas pesquisas mundiais e achar coisas que ninguém mais está achando.”

A descoberta foi publicada na revista científica Monthly Notices of the Royal Astronomical Society (MNRAS, na sigla em inglês). O grupo de pesquisadores é composto por Andrade, Corradi, e também pelos professores João Francisco Santos Jr., da UFMG, Francisco Maia, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), e Mateus de Souza Angelo (CEFET-MG).

O próximo passo, segundo Corradi, é iniciar um estudo mais detalhado de cada objeto, “usando técnicas de espectroscopia e polarimetria astronômicas”. “Queremos refinar a determinação de suas propriedades astrofísicas, do meio interestelar à sua volta e das implicações na evolução dinâmica da nossa Galáxia, a Via Láctea”, garante.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.

Você já leu todo conteúdo gratuito deste mês.

Assine e tenha o melhor conteúdo do seu dia, talvez o único que você precise.

Já é assinante? Entre aqui.

Plano mensal Revista Digital

Plano mensal Revista Digital + Impressa

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis

R$ 15,90/mês

R$ 44,90/mês

Plano mensal Revista Digital

Acesse ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

ASSINE

Plano mensal Revista Digital + Impressa

Acesse ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças + Edição impressa quinzenal com frete grátis.

ASSINE