Cientista cria pâncreas biônico para filho com diabetes

Com tecnologia que envolve app para iPhone, cientista cria pâncreas biônico para filho com diabetes que consegue medir e equilibrar os níveis de açúcar no corpo

São Paulo – Aos 11 meses de idade, David foi diagnosticado com diabetes do tipo 1. A doença afeta as células do pâncreas que produzem insulina (hormônio que transforma carboidratos como o açúcar em energia para o corpo). Treze anos depois, seu pai Ed Damiano está perto de criar um gadget que pode mudar sua vida.

Trata-se de um pâncreas biônico, que está sendo desenvolvido pela equipe do engenheiro biomédico na Universidade de Boston, nos EUA.

O dispositivo foi tema de um artigo publicado na última edição da New England Journal of Medicine, renomada publicação da área de ciência e medicina.

No pâncreas biônico, um sensor fica responsável por medir a quantidade de glicose no corpo. Este indicador é processado por um app para iPhone, que determina a liberação de açúcar ou insulina por uma bomba acoplada ao paciente a cada cinco minutos.

Veja vídeo (em inglês) no qual Damiano apresenta o pâncreas biônico:

//www.youtube.com/embed/w0aalblWfjU

Performance

De acordo com os pesquisadores, o dispositivo vem apresentando melhor performance do que as tecnologias usadas hoje para controle de glicemia. E isso vem animando os cientistas.

Os estudos para desenvolvimento do pâncreas biônico começaram em 2005. No começo, porcos foram usados como cobaia. Em 2008, a tecnologia foi testada pela primeira vez em humanos.

“Nós devemos submeter o dispositivo à aprovação do governo americano no próximo ano e esperamos tê-lo aprovado até 2017”, afirma Damiano em texto sobre a pesquisa. Ele espera que o filho possa usar o pâncreas biônico quando estiver na faculdade.

Segundo dados da OMS (Organização Mundial da Saúde), a diabetes afeta cerca de 350 milhões de pessoas em todo o mundo. Por ano, a doença causa 3 milhões de mortes. E a expectativa da OMS é que ela se torne a sétima maior causa de óbitos no mundo até 2030.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.