Ciência

​​China disponibiliza reator de pesquisa nuclear avançada para cientistas do mundo inteiro

Desde sua criação em 2010, o CARR foi aberto em cerca de 50 institutos e universidades nacionais de pesquisa de forma limitada

Pesquisa: cerca de 50 institutos e universidades nacionais de pesquisa firmaram parceria. (EVARISTO SA/AFP via Getty Images/Getty Images)

Pesquisa: cerca de 50 institutos e universidades nacionais de pesquisa firmaram parceria. (EVARISTO SA/AFP via Getty Images/Getty Images)

China2Brazil
China2Brazil

Agência

Publicado em 3 de abril de 2023 às 16h19.

O Reator de Pesquisa Avançada da China (CARR, na sigla em inglês), uma unidade sofisticada e versátil de 12 anos, está acolhendo cientistas globais e cooperação mundial, de acordo com a Corporação Nacional Nuclear da China (CNNC, na sigla em inglês).

Até o momento, o instituto já recebeu mais de 40 aplicações internacionais para projetos CARR, abrangendo a indústria aeroespacial, materiais, petróleo e outras indústrias de ponta.

Desde sua criação em 2010, o CARR foi aberto em cerca de 50 institutos e universidades nacionais de pesquisa de forma limitada.

Seu fluxo de nêutrons do Reator de Pesquisa Avançada da China, um indicador técnico chave, ocupa o primeiro lugar na Ásia e o terceiro no mundo. Ao contrário dos reatores em usinas nucleares que são usados para gerar eletricidade, o reator da usina CARR gera nêutrons para fins de pesquisa científica.

“O objetivo do reator é atender às principais necessidades do país e resolver problemas nas indústrias nuclear, aeroespacial, aeronáutica, de energia e de transporte da China”, disse Chen Dongfeng, especialista chefe do CNNC, ao China Media Group (CMG, na sigla em inglês).

Hao Lijie, um pesquisador do Instituto de Energia Atômica da China (CIAE, na sigla em inglês) sob o CNNC, disse que os nêutrons podem passar por materiais metálicos e detectar defeitos internos em todos os tipos de materiais espessos, que são difíceis de serem atingidos por outros raios de radiação.

Reator de pesquisa atualizado e seguro

O reator CARR, localizado no Instituto de Energia Atômica da China, no distrito de Fangshan, em Pequim, demonstrou o desenvolvimento da China em ciência nuclear e experimentos com nêutrons.

Em 2022, o CNNC atualizou o reator para atender à crescente demanda e atender melhor a futuros clientes.

Os cientistas de lá estão agora trabalhando na pesquisa de lâminas de aeromotores, no exame de rodas ferroviárias de alta velocidade e até mesmo de artefatos antigos da Dinastia Han Ocidental (202 BC-AD 25).

Sua exposição à radiação é relativamente baixa, pois o detector de radiação no local do CIAE marca apenas 0,51 microsieverts.

Para simplificar, a quantidade de radiação absorvida por um cientista trabalhando no local da CIAE por 1.400 dias ou cerca de 3,8 anos, é aproximadamente a mesma de uma varredura de CT.

Com relação ao seu tempo de operação, Xue Xiaogang, secretária do Comitê do Partido do Instituto de Energia Atômica da China, disse à CMG que “o objetivo este ano é manter o reator operando por mais de 100 dias, e nos esforçamos para aumentar o tempo de operação para 200-250 dias em 2024”.

“Também recebemos amigos internacionais para fazer pesquisas científicas em nossa plataforma, e em conjunto forjar algumas novas fronteiras”.


Tradução: Mei Zhen Li
Fonte: NEWS.HANGZHOU

Acompanhe tudo sobre:PesquisaChinaPesquisas científicas

Mais de Ciência

Álcool: quanto você pode beber e ainda assim ficar saudável?

Caverna na Lua poderia abrigar humanos; entenda

Crise climática pode impactar vida sexual dos insetos, diz estudo

Quais as suplementos devemos evitar nos treinos?

Mais na Exame