• AALR3 R$ 20,01 -0.30
  • AAPL34 R$ 70,99 3.76
  • ABCB4 R$ 16,93 1.62
  • ABEV3 R$ 14,23 0.14
  • AERI3 R$ 3,76 -0.53
  • AESB3 R$ 10,81 -1.01
  • AGRO3 R$ 31,09 -1.11
  • ALPA4 R$ 22,80 2.84
  • ALSO3 R$ 19,15 1.59
  • ALUP11 R$ 26,48 -0.08
  • AMAR3 R$ 2,52 -2.70
  • AMBP3 R$ 31,84 -1.58
  • AMER3 R$ 21,57 0.33
  • AMZO34 R$ 3,52 4.14
  • ANIM3 R$ 5,51 -0.72
  • ARZZ3 R$ 83,00 2.13
  • ASAI3 R$ 15,78 -1.93
  • AZUL4 R$ 20,92 -0.14
  • B3SA3 R$ 12,68 2.18
  • BBAS3 R$ 37,07 -1.04
  • AALR3 R$ 20,01 -0.30
  • AAPL34 R$ 70,99 3.76
  • ABCB4 R$ 16,93 1.62
  • ABEV3 R$ 14,23 0.14
  • AERI3 R$ 3,76 -0.53
  • AESB3 R$ 10,81 -1.01
  • AGRO3 R$ 31,09 -1.11
  • ALPA4 R$ 22,80 2.84
  • ALSO3 R$ 19,15 1.59
  • ALUP11 R$ 26,48 -0.08
  • AMAR3 R$ 2,52 -2.70
  • AMBP3 R$ 31,84 -1.58
  • AMER3 R$ 21,57 0.33
  • AMZO34 R$ 3,52 4.14
  • ANIM3 R$ 5,51 -0.72
  • ARZZ3 R$ 83,00 2.13
  • ASAI3 R$ 15,78 -1.93
  • AZUL4 R$ 20,92 -0.14
  • B3SA3 R$ 12,68 2.18
  • BBAS3 R$ 37,07 -1.04
Abra sua conta no BTG

Ave recém descoberta no Brasil está ameaçada de extinção

Mal foi descoberta e já está em risco: captura de exemplares silvestres para abastecer mercado clandestino de aves agrava a situação do pássaro
Sporophila corvina, ave do mesmo gênero da Sporophila beltoni: a população desta está reduzida a 4.500 casais em idade reprodutiva (Wikimedia Commons)
Sporophila corvina, ave do mesmo gênero da Sporophila beltoni: a população desta está reduzida a 4.500 casais em idade reprodutiva (Wikimedia Commons)
Por Da RedaçãoPublicado em 24/07/2014 20:12 | Última atualização em 24/07/2014 20:12Tempo de Leitura: 2 min de leitura

Rio de Janeiro - O patativa-tropeira (Sporophila beltoni), uma nova espécie de ave descrita no final do ano passado no Brasil, está em perigo de extinção, alertaram nesta quinta-feira os biólogos que a estudaram e catalogaram.

"Ela já pode ser considerada globalmente em perigo de extinção", afirmou o biólogo e zoólogo Marcio Repenning da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC-RS) e um dos autores do artigo científico em que a ave foi apresentada mundialmente, que acrescentou que a captura de exemplares silvestres desta espécie para abastecer o mercado clandestino de aves agrava a situação.

De acordo com a pesquisadora Carla Suertegaray Fontana, também da PUC-RS e co-autora do artigo, a espécie é "naturalmente vulnerável", já que sua população está reduzida a 4.500 casais em idade reprodutiva. A espécie se alimenta de sementes de capins nativos e vive em campos naturais altos e de vegetação densa.

A ave é considerada nativa do Brasil e foi identificada apenas no Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná, assim como em algumas áreas do Cerrado, para onde migram após a reprodução na primavera e no verão.

Ela foi descrita em artigo publicado no final de 2013 no jornal especializado "The Auk" e seu nome científico, Sporophila beltoni, é uma homenagem ao ornitólogo William Belton.

A espécie sempre foi confundida com a Sporophila plumbea, uma ave da família Thraupidae com habitat em vários países sul-americanos e popularmente conhecida no Brasil como patativa. O bico amarelo, no entanto, distingue claramente o patativa-tropeira dos demais.