Ciência

AstraZeneca e Rússia anunciam testes conjuntos de vacinas contra covid-19

As duas vacinas usam adenovírus e o uso combinado delas pode aumentar a eficácia da imunização contra o novo coronavírus

 (Dado Ruvic/Reuters)

(Dado Ruvic/Reuters)

A

AFP

Publicado em 11 de dezembro de 2020 às 08h09.

O laboratório britânico AstraZeneca e a Rússia anunciaram nesta sexta-feira testes clínicos conjuntos que combinam suas duas vacinas contra o novo coronavírus.

A pandemia está mexendo com a economia e os negócios em todo o mundo. Venha aprender o que realmente importa na EXAME Research.

"Anunciamos um programa de testes clínicos para avaliar a segurança a imunogenicidade da combinação da ASD1222, desenvolvida pela AstraZeneca e a Universidade de Oxford, e Sputnik V, desenvolvida pelo instituto de pesquisa Gamaleya", anunciou a unidade da AstraZeneca na Rússia em um comunicado.

Os testes incluirão voluntários com mais de 18 anos. As duas vacinas usam adenovírus.

Em um comunicado publicado nesta sexta-feira, o Fundo Soberano Russo, que participa no desenvolvimento da vacina, afirma que propôs em novembro a AstraZeneca o uso de um dos dois componentes da vacina Sputnik V.

"A AstraZeneca aceitou a proposta (...) de usar um dos dois vetores da vacina Sputnik V nos testes clínicos adicionais de sua própria vacina, que começarão antes do fim do ano", indicou o fundo soberano.

"As combinações das diferentes vacinas contra a covid-19 podem ser uma etapa importante para criar uma proteção maior", afirmou a AstraZeneca, explicando que ao unir duas pesquisas é possível obter uma "resposta imunológica melhor".

A Rússia afirmou que sua vacina tem eficácia de 95%. Atualmente está na fase 3 de testes clínicos em 40.000 voluntários. O país iniciou na semana passada a vacinação em parte da população.

A AstraZeneca e a Universidade de Oxford anunciaram que sua vacina tem eficácia de 70% em média.

_______________________________________________________________________

EXAME.AGORA

A gravidade do coronavírus movimentou centenas de iniciativas privadas e públicas em busca de uma vacina. No EXAME Agora especialistas explicam o que ainda falta para as vacinas ficarem prontas e quais são os riscos e benefícios de se produzir um imunizante em tão pouco tempo.

Acompanhe tudo sobre:AstraZenecaCoronavírusRússiaVacinas

Mais de Ciência

Flora intestinal distinta pode servir para o diagnóstico do Autismo, aponta estudo

Estudo sugere que expectativa de vida humana pode ter alcançado limite

Ozempic reduz risco de demência em pacientes diabéticos, revela estudo

O que causa a enxaqueca? Estudo revela nova pista sobre origem da doença

Mais na Exame