Após lockdown de 7 meses, França libera a abertura de cafés e restaurantes

O plano francês também inclui a flexibilização das fronteiras para o turismo

Esta reportagem faz parte da newsletter EXAME Desperta. Assine gratuitamente e receba todas as manhãs um resumo dos assuntos que serão notícia.

A França passa a permitir que cafés, restaurantes e bares tenham funcionamento normal a partir desta quarta-feira, 9. A flexibilização do lockdown, que já dura quase 7 meses (um dos mais longos do mundo), é parte de um plano que também inclui reabrir as fronteiras para o turismo internacional, eliminando a necessidade de testes de covid-19 para europeus vacinados e permitindo que turistas imunizados da maior parte do resto do mundo também voltem, mas com um teste negativo em mãos.

As regras relaxadas vão oferecer um impulso bem-vindo para o setor de turismo da França, mas os turistas de países que ainda lutam contra o surto de vírus, como o Brasil, precisarão de um motivo convincente para sua visita e aderirão a um conjunto de condições estritas.

Essa “lista vermelha” conta atualmente com 16 países, incluindo Índia e África do Sul. Fora da Europa, a maior parte do resto do mundo é classificada como “laranja” no novo livro de regras de viagens lançado sexta-feira, 4, pelo governo francês.

Até o momento, milhares de empresas, além de setores culturais, só conseguiram sobreviver devido à política do "custe o que custar", do presidente francês, Emmanuel Macron, que para manter o distanciamento social e tentar garantir, ao mesmo tempo, renda aos franceses liberou incentivos que vão desde o pagamento de salários (84% do montante líquido) e de parte de outros custos fixos, exoneração de encargos, além de um "fundo de solidariedade" para todas as empresas que registraram perdas de receita com o lockdown.

É possível escolher entre 10 mil euros por mês (cerca de R$ 64,3 mil) ou 20% do faturamento, dentro de um limite. Tal política social já custou ao governo francês 168 bilhões de euros (mais de R$ 1 trilhão) apenas em 2020. No final, o rombo deve ser ainda maior nas contas públicas, pois o recolhimento de impostos também está suspenso.

Na terça-feira, 8, a França registrou cerca de 64 mortes e 1.164 novos casos, São os menores números desde março, quando atingiu o pico da segunda onda com quase 300 mortos por dia.

Fique por dentro das principais notícias do Brasil e do mundo. Assine a EXAME

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.