• AALR3 R$ 20,20 -0.49
  • AAPL34 R$ 66,78 -0.79
  • ABCB4 R$ 16,69 -3.75
  • ABEV3 R$ 13,98 -1.13
  • AERI3 R$ 3,67 -0.81
  • AESB3 R$ 10,70 0.00
  • AGRO3 R$ 30,74 -0.32
  • ALPA4 R$ 20,46 -1.35
  • ALSO3 R$ 18,92 -0.94
  • ALUP11 R$ 26,83 0.86
  • AMAR3 R$ 2,41 -1.23
  • AMBP3 R$ 29,84 -2.29
  • AMER3 R$ 23,45 1.56
  • AMZO34 R$ 66,86 -0.09
  • ANIM3 R$ 5,36 -2.72
  • ARZZ3 R$ 81,01 -0.23
  • ASAI3 R$ 15,95 3.24
  • AZUL4 R$ 20,93 -1.46
  • B3SA3 R$ 12,13 2.71
  • BBAS3 R$ 37,15 4.06
  • AALR3 R$ 20,20 -0.49
  • AAPL34 R$ 66,78 -0.79
  • ABCB4 R$ 16,69 -3.75
  • ABEV3 R$ 13,98 -1.13
  • AERI3 R$ 3,67 -0.81
  • AESB3 R$ 10,70 0.00
  • AGRO3 R$ 30,74 -0.32
  • ALPA4 R$ 20,46 -1.35
  • ALSO3 R$ 18,92 -0.94
  • ALUP11 R$ 26,83 0.86
  • AMAR3 R$ 2,41 -1.23
  • AMBP3 R$ 29,84 -2.29
  • AMER3 R$ 23,45 1.56
  • AMZO34 R$ 66,86 -0.09
  • ANIM3 R$ 5,36 -2.72
  • ARZZ3 R$ 81,01 -0.23
  • ASAI3 R$ 15,95 3.24
  • AZUL4 R$ 20,93 -1.46
  • B3SA3 R$ 12,13 2.71
  • BBAS3 R$ 37,15 4.06
Abra sua conta no BTG

Anticorpos contra covid-19 são identificados em leite materno de mãe vacinada

O estudo, que ainda conta com dados preliminares, analisou seis mães lactantes que receberam a vacina da Pfizer
 (Getty Images/Picture Alliance)
(Getty Images/Picture Alliance)
Por Laura PanciniPublicado em 05/03/2021 13:41 | Última atualização em 05/03/2021 13:41Tempo de Leitura: 2 min de leitura

Um estudo publicado recentemente pelo Providence Portland Medical Center, em Oregon, nos Estados Unidos, analisou se o leite materno poderia conter anticorpos contra a covid-19 caso a mãe fosse vacinada, mais especificamente pela vacina da Pfizer com a alemã BioNTech.

O grupo de pesquisa estudou seis mães lactantes que receberam a vacina entre dezembro de 2020 e janeiro de 2021. Todas tomaram as duas doses com um intervalo de 21 a 28 dias e, para comparação, foram analisadas amostras de leite materno antes da primeira dose e catorze dias após a segunda. Nenhuma delas tinha histórico de terem sido contaminadas pelo novo coronavírus.

Foi descoberto que, sete dias após a primeira dose da vacina, as amostras de leite materno demonstraram imunoglobulinas IgG e IgA substanciais contra o vírus da covid-19, o SARS-CoV-2. Os anticorpos IgA são comumente vistos após doenças respiratórias e o IgG é um anticorpo comum transmitido pelo sangue, que fornece imunidade.

Entre a primeira e a segunda dose, os níveis de anticorpos no leite materno diminuíram, mas a última dose fez com que eles aumentassem e permanecessem elevados. O estudo é relativamente pequeno e os dados ainda são preliminares, mas o resultado é promissor e mostra que bebês podem ter um certo nível de proteção, mesmo sem nenhuma vacina disponível para eles no momento.

No caso de mulheres grávidas, a Organização Mundial da Saúde (OMS) fornece orientações, mas, até o momento, não há qualquer garantia ou ensaio clínico concluído que analisa a eficácia e segurança das vacinas em grávidas. Como o feto está em contínua evolução no útero, o tempo de transmissão de qualquer substância pode ter impacto variado.

Um estudo sobre a vacina da Pfizer com a BioNTech em grávidas está em andamento e os dados devem ser divulgados nos próximos meses.