Abbott lança no Brasil teste de covid que Trump zerou nos EUA

Produto para o mercado brasileiro usa a mesma tecnologia do que foi lançado nos EUA e lá custa 5 dólares. Governo americano comprou 150 milhões de testes
Coronavírus: novo teste de antígeno tem sensibilidade comprovada de 91,4% (KATERYNA KON/SCIENCE PHOTO LIBRARY/Getty Images)
Coronavírus: novo teste de antígeno tem sensibilidade comprovada de 91,4% (KATERYNA KON/SCIENCE PHOTO LIBRARY/Getty Images)
Por Maria Eduarda CuryFabiane Stefano
Publicado em 29/09/2020 às 21:07.

A norte-americana Abbott anunciou a chegada de um novo teste de covid-19 capaz de fornecer o resultado em até 15 minutos. O dispositivo, chamado de Panbio Covid-19 Ag, é portátil e não necessita de equipamentos especializados para poder ser utilizado.

O novo teste da Abbott é capaz de medir, por meio da faringe, a quantidade do novo coronavírus presente no ser humano. No final de agosto, a empresa farmacêutica lançou, nos Estados Unidos, um teste que faz uso da mesma tecnologia - mas com o nome de BinaxNOW.

Custando apenas 5 dólares, quase todo o estoque dos testes da Abbott foi adquirido pelo governo americano, em um contrato de 750 milhões de dólares por 150 milhões de testes. Na segunda-feira, 28, o presidente americano Donald Trump anunciou o plano de distribuição dos testes e disse que o esforço "permitiria que cada estado testasse regularmente todos os professores." Em boa parte do país, as aulas já recomeçaram.

Em entrevista para a EXAME, o virologista e professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro Amílcar Tanuri, que participou do estudo de eficiência no Brasil, comentou que a sensibilidade do teste é positiva. "Visto que ele consegue informar o nível da presença do vírus no organismo, não é necessário fazer um outro teste de confirmação", disse Tanuri.

Ao contrário da maioria dos testes rápidos, que identifica a resposta imunológica do corpo em relação ao vírus (o que ocorre a partir do décimo dia de infecção), o novo teste da Abbot é de antígenos, que detecta proteínas na fase de atividade da infecção.

O teste é uma alternativa ao exame RT-PCR, que demora de 1 a 2 dias para conseguir traduzir um resultado e necessita de mais equipamentos avançados. Para comprovar a eficácia, a Abbott realizou um estudo clínico no Brasil que contou com 585 amostras. Cerca de 92% dos resultados dos testes comprovaram estar corretos.

Segundo Tanuri, o objetivo é que o teste seja utilizado em grande escala, com a intenção de identificar os indivíduos que possuem mais chances de espalhar o vírus. Isso é possível porque o teste consegue medir a quantidade de vírus presente na faringe e, portanto, podem ser expelidos pelas vias aéreas.

Este é o sétimo teste que a farmacêutica está lançando no Brasil. "Desde o início da pandemia, a Abbott tem desenvolvido tecnologias de teste, expandindo o acesso e compartilhando recursos para ajudar a combater esse vírus em todas as frentes que podemos", diz Vlademir Bastos de Carvalho, Gerente Geral do negócio de Diagnósticos Rápidos da Abbott no Brasil. "Os testes rápidos de antígeno são uma parte importante da estratégia mais ampla de teste COVID-19 no Brasil, pois são altamente portáteis, fáceis de usar, acessíveis e fornecem resultados rápidos."

O Panbio Covid-19 Ag foi desenvolvido para clientes fora dos Estados Unidos e está sendo comercializado em diversos países do mundo. Como o Brasil é o terceiro em número de infectados no mundo, com 4,8 milhões de contaminados pelo coronavírus, virou um país-chave para a Abbott.

O teste já está disponível para uso no Brasil e começará a ser comercializado nesta semana - mas preços oficiais ainda não foram revelados. A empresa mirá vender o novo teste para os sistemas públicos de saúde e para o setor de saúde privada. A Abbott, porém, não revela quantas unidades foram importadas para o país. O teste é fabricado pela unidade da farmacêutica na  Coreia do Sul.

De acordo com a Abbott, o teste que está sendo lançado aqui e o direcionado ao mercado americano compartilham a mesma tecnologia, especialmente em termos de reagentes e química de detecção. Logo, suas respectivas características de desempenho são muito semelhantes. As diferenças estão no formato dos testes (o Panbio tem um formato de filete e o Binax se parece com um cartão de crédito) e na forma de coletar as amostras (nasofaríngea para o Panbio e nasal para o Binax).

Tanto para a versão norte-americana quanto para a brasileira, a Abbott desenvolveu um aplicativo e site que tem como objetivo monitorar os resultados e fornecer uma ferramenta fácil para os usuários, que podem acessar seus relatórios a qualquer momento.