A janela está se fechando para os demais fabricantes de vacinas contra a covid-19

Depois do sucesso da Pfizer e da Moderna, outros fabricantes podem ter dificuldades para terminar os estudos clínicos com vacinas potenciais

Enquanto o mundo era vítima da pandemia de coronavírus no início de 2020, o campo parecia aberto para inúmeras empresas farmacêuticas e universidades que se apressaram em desenvolver vacinas para conter a covid-19. Mas agora que a Pfizer e sua parceira a BioNTech tiveram sucesso com uma vacina contra o coronavírus, tendo a rival Moderna não muito distante, dezenas de fabricantes de medicamentos seguem logo atrás na tarefa de desenvolvimento e repentinamente se deparam com uma possibilidade preocupante: a janela para desenvolver uma vacina bem-sucedida antes que o campo fique lotado pode estar se fechando.

Isso pode deixar alguns retardatários incapazes de inscrever facilmente um número suficiente de voluntários nos testes necessários para obter a autorização regulatória. Na verdade, os fabricantes de medicamentos que estão muitos meses atrasados ​​podem se ver excluídos do vasto mercado dos Estados Unidos, que também costuma ser o mais lucrativo.

O problema é o impressionante sucesso das primeiras vacinas. A Pfizer e a Moderna foram as primeiras a receber o sinal verde e seus imunizantes já estão sendo aplicados em dezenas de países. E, apesar da confusão em torno de suas descobertas, a vacina da AstraZeneca e da Universidade de Oxford parece ser outra promissora candidata.

Embora isso seja bom do ponto de vista da saúde pública – sem dúvida, vários outros produtos serão necessários para imunizar quase 8 bilhões de pessoas no mundo – a  eficácia excepcional das vacinas dos primeiros fabricantes está elevando o nível e diminuindo o número de candidatos desafiantes como a Merck, Novavax e a Sanofi e seu parceiro, a GlaxoSmithKline , junto com mais de 200 outras equipes de pesquisa.

Um problema é que conseguir voluntários para se inscreverem ou permanecerem em estudos clínicos – em que até a metade deles – recebe placebos pode se tornar difícil se eles pensarem que podem simplesmente esperar e depois ter acesso a uma vacina eficaz e garantida como a da Pfizer. O desafio se tornará mais acentuado por volta de abril, à medida que significativas faixas da população provavelmente se tornarão elegíveis para vacinas que foram liberadas pelos Estados Unidos ou outros reguladores globais.

"Se você se inscreveu em um estudo, ou se seu plano é se inscrever em um estudo e de repente recebeu um e-mail dizendo: 'Olá, você é elegível para a vacina Pfizer na próxima semana', meu palpite é que você provavelmente aceitaria o convite imediatamente ”, diz Daniel Mahony, administrador de fundos de saúde da Polar Capital, em Londres. Isso pode prolongar o tempo para conduzir um teste robusto, empurrando os retardatários ainda mais para trás.

Depois de dificuldades iniciais para reunir inscritos de teste em número suficiente, a Johnson & Johnson disse que deve conseguir resultados em janeiro. A Sanofi e a Glaxo planejavam lançar a última fase de seus testes neste mês, enquanto a Novavax espera começar grandes testes nos Estados Unidos e no México em breve. Muitos outros esperam entrar em testes de estágio final em 2021.

Há necessidade de abordagens múltiplas por muitos motivos, além do desafio emocionante de vacinar o mundo inteiro no menor tempo possível – um feito nunca antes tentado. Não se sabe por quanto tempo as doses conferirão proteção e se precisarão ser administradas repetidamente. Surgiram evidências de que a imunidade pode diminuir mesmo em pessoas que já foram infectadas.

Embora as vacinas de mRNA da Pfizer e Moderna, que transformam células em minúsculas fábricas de vacinas, produzam proteção superlativa de curto prazo, não está claro se o benefício pode diminuir. Elas também podem causar efeitos colaterais, como dores de cabeça e fadiga, especialmente após a segunda dose. Isso poderia dar às vacinas de segunda geração uma abertura para fornecer um acesso mais tolerado ou mais duradouro.

Essa perspectiva de um robusto e persistente mercado provavelmente obrigará alguns retardatários da vacina a adotar abordagens de teste diferentes daquelas usadas pela Pfizer e Moderna, que realizaram testes tradicionais em grande escala de suas vacinas em comparação com o placebo em áreas onde os surtos foram violentos.

Uma abordagem para o problema do superlotado mercado americano é evitá-lo completamente. É isso que o fabricante alemão de vacinas CureVac está fazendo. O teste de estágio final de sua vacina de mRNA contra a covid-19 será realizado na Europa e na América Latina. “Não estamos planejando realizar ensaio clínico nos Estados Unidos, porque os Estados Unidos estão bem cobertos com vacinas para a pandemia”, disse o diretor-presidente Franz-Werner Haas em uma ligação com investidores em 30 de novembro.

Da mesma forma, evitar os Estados Unidos pode ser a melhor estratégia para empresas menores em biotecnologia. A Arcturus Therapeutics, por exemplo, assinou acordos de fornecimento com os governos de Israel e Cingapura, mas não tem financiamento do governo dos Estados Unidos. “Não precisamos de uma transação de bilhões de doses para aplicar a injeção”, disse o CEO Joseph Payne em outubro.

A Novavax acredita que conseguirá  um número suficiente de pessoas para seu teste nos Estados Unidos e no México, uma vez que apenas profissionais de saúde de alto risco e idosos inicialmente serão elegíveis para as vacinas Pfizer e Moderna nos Estados Unidos. “A disponibilidade de quaisquer vacinas autorizadas ainda será muito limitada quando iniciamos nosso teste ”, disse Gregory Glenn, presidente de pesquisa e desenvolvimento da empresa, por e-mail. Uma vez que a maioria dos casos de vírus ainda está ocorrendo entre grupos que não estão nas listas de alta prioridade para o lançamento da vacina, “acreditamos que seremos capazes de inscrever o estudo completo”. Novavax já tem um grande teste em andamento no Reino Unido.

Existem também outras opções, incluindo conceder aos participantes do teste colocados no grupo de placebo acesso prioritário a uma vacina, de acordo com Moncef Slaoui, consultor científico chefe da Operação Warp Speed, programa dos Estados Unidos de combate ao coronavírus. Esse incentivo diminuiria os temores dos voluntários de que não seriam protegidos do vírus em tempo hábil.

Essa é a abordagem da J&J. Em uma coletiva de imprensa em 8 de dezembro, Paul Stoffels, diretor científico, disse que a empresa está trabalhando em um plano para alertar as pessoas quanto ao teste, se elas se enquadrarem em uma categoria de alta prioridade que lhes permitiria acesso antecipado às vacinas Pfizer ou Moderna . O objetivo é “encontrar uma forma de informá-los e fazer o necessário para que participem” do lançamento de outras vacinas, afirmou.

Outra possibilidade é conduzir estudos comparando as vacinas que foram autorizadas com aquelas que ainda estão em fase experimental no que é chamado de ensaio comparativo, garantindo que todos sejam inoculados de alguma forma, embora tais estudos sejam caros e demorados, diz Slaoui.

O Reino Unido está planejando uma maneira de contornar o problema, usando os chamados estudos de desafio que expõem deliberadamente as pessoas ao coronavírus. Os resultados podem permitir aos cientistas comparar a eficácia de vacinas concorrentes e acelerar a pesquisa, e os primeiros testes podem ocorrer no próximo ano.

Ainda há muito espaço para inovação e as vacinas da segunda geração podem ter uma vantagem. A Merck e a J&J planejam fornecer proteção com uma dose em vez de duas, tornando a vacina mais simples de distribuir, administrar e gerar proteção total, enquanto outras podem ser mais baratas de se produzir ou mais fáceis de se implantar em países em desenvolvimento. A vacina da Pfizer e da BioNTech deve ser mantida a cerca de -70°C, mais frio que o inverno na Antártica.

Nenhuma das empresas de vacinas quis dar detalhes sobre seus planos de colocar as vacinas de segunda geração no mercado. Algumas ainda aguardam os resultados iniciais que determinarão como proceder, e outras não querem divulgar o que pode se tornar estratégias táticas fundamentais. Com mais de 200 vacinas diferentes em desenvolvimento, e apenas 52 agora em estudos com humanos, de acordo com a Organização Mundial da Saúde, esse é um desafio que muitos enfrentarão.

“Continuaremos a trabalhar com agências regulatórias no desenho e implementação de nossos maiores estudos”, disse a Merck em comunicado enviado por e-mail.

A Glaxo disse que seus adjuvantes – substâncias que aumentam a resposta imunológica do corpo – podem desempenhar importante papel na proteção dos idosos. E, em vez de administrar uma vacina por meio de injeção, outros cientistas esperam gerar respostas imunológicas superiores com vacinas inaladas que visam diretamente as células das vias aéreas que o vírus invade.

O mundo se beneficiaria com uma série de opções, diz Gregory Poland, diretor do grupo de pesquisa de vacinas da Clínica Mayo. Moderna e Pfizer não conseguem produzir doses suficientes para atender a demanda em um curto período de tempo, e é provável que o coronavírus continue a persistir e circular pela população, exigindo vacinação nos próximos anos, diz ele.

Há um enorme precedente com relação às melhorias em quase todas as doenças evitáveis ​​por vacinas, diz ele, à medida que as empresas trabalham para tornar seus produtos mais rápidos de serem produzidos e mais fáceis de serem ingeridos. “Não há possibilidade de o campo se fechar em torno de duas vacinas”, diz Poland. “Sempre haverá uma próxima geração de vacinas.”

As empresas que seguem essa trilha contam com a necessidade de diferentes métodos de combate ao vírus. Não está claro se uma vacina sazonal será necessária no fim da pandemia, disse a Glaxo, que tem parcerias com empresas além da Sanofi, em comunicado. “Nossa estratégia é fazer vários chutes a gol.”

As perspectivas são boas para empresas que já estão na fase final de testes e ainda não estão correndo para inscrever participantes em seus testes, diz Mahony, o administrador do fundo. Em última análise, é provável que o mundo precise de pelo menos cinco ou seis vacinas diferentes, diz ele.

O desafio será maior para os produtos que estão mais atrasados, já que os programas de vacinação eliminam grande parte do vírus circulante. Nessa situação, mesmo tendo um grupo de placebo no estudo, isso não ajudaria a descobrir a eficácia de uma nova abordagem, diz Poland.

Por fim, os cientistas serão capazes de avaliar quão bem as vacinas funcionam sem rastrear as taxas de infecção em milhares de pessoas. A abordagem mais provável será comparar a quantidade de anticorpos neutralizantes produzidos contra o coronavírus. Se novas doses produzirem níveis semelhantes ou mais altos de anticorpos protetores que as vacinas aprovadas, elas podem ser tão eficazes quanto, diz Poland. O processo também leva menos tempo e custa significativamente menos do que um teste tradicional de eficácia.

O fornecimento de vacinas que cruzam a linha de chegada com sucesso será limitado nos primeiros meses, e já há preocupações de que alguns países possam não ser capazes de obter tantas vacinas da Pfizer e da Moderna quanto gostariam. Isso abriria a porta para estudos que estão testando novas abordagens. Os Estados Unidos, que encomendaram o suficiente de cada empresa para inocular um total de 100 milhões de pessoas antes de precisar de mais, recusou várias ofertas da Pfizer para reservar doses adicionais, relatou o Washington Post.

Autoridades americanas contestaram relatos de que o governo se recusou a bloquear mais doses da Pfizer, sugerindo que a gigante farmacêutica se recusou a fornecer um cronograma concreto para quando poderia entregar os suprimentos adicionais. Os Estado Unidos estão em ativas negociações com a Pfizer sobre opções de exercícios para mais doses, disseram eles.

Mesmo assim, Poland, da Clínica Mayo, diz que os fabricantes de vacinas que podem inovar têm mais chance de ganhar no longo prazo, independentemente de sua situação atual, já que a maior parte do mundo ainda espera por proteção. “A ideia de que a janela está se fechando para novas vacinas contra o coronavírus é completamente errada e contraintuitiva”, diz ele. “A janela está se fechando para os fabricantes que pensam que podem fazer as coisas sempre da mesma maneira.”

Com Cristin Flanagan, Riley Griffin, Suzi Ring e Tim Loh

Tradução de Anna Maria Dalle Luche

 

De 0 a 10 quanto você recomendaria Exame para um amigo ou parente?

 

Clicando em um dos números acima e finalizando sua avaliação você nos ajudará a melhorar ainda mais.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.