3 nós climáticos que a COP20 precisa desatar

Futuro do planeta está em jogo na reunião da ONU sobre o clima, que ocorre em Lima, no Peru, até o dia 12. Veja os pontos cruciais da negociação

São Paulo – Negociadores de mais de 190 países membros da Convenção da ONU sobre o clima se reúnem em Lima, no Peru, durante duas semanas, para discutir o futuro do planeta frente às mudanças climáticas e a alta do termômetro.

O encontro é crucial para traçar as bases de um novo acordo mundial que reduza as emissões de gases efeito estufa em nível suficiente para limitar o aumento da temperatura da Terra a 2 graus Celsius, em comparação com a era pré-industrial.

É um limiar que, segundo os cientistas, não deve ser cruzado, se quisermos evitar os piores impactos das mudanças climáticas. No começo do ano, o Painel Intergovernamental sobre Mudança Climática (IPCC), o principal documento a respeito do tema, alertou para o aumento, em quantidade e intensidade, de fenômenos extremos, como tempestades e secas severas.

Para completar, os dez primeiros meses de 2014 foram os mais quentes do planeta desde que começaram os registros de temperatura, em 1880, segundou informou, na última quinta-feira, a Agência Oceânica e Atmosférica dos Estados Unidos (NOAA).

Os sinais são claros e os desafios estão dados. Falta só vontade política para mudar o jogo.

Clima de otimismo

Em geral, o clima de otimismo parece predominar em Lima. "Eu nunca me senti tão otimista como agora", disse, ao The Guardian, Tony de Brum, o ministro das Relações Exteriores das Ilhas Marshall, que estão afundando com o aumento do nível do mar no Pacífico.

"Há um sentimento de que há uma oportunidade aqui que não podemos perder", acrescentou.

Para Christiana Figueres, secretária-executiva da ONU para o tema, nunca antes os riscos das mudanças climáticas estiveram tão óbvios e seus impactos tão visíveis. Mas ao mesmo tempo, “nunca se viu tamanho desejo em todos os níveis da sociedade de investir em ações climáticas”.

Em grande medida, a confiança de que a reunião será produtiva tem origem no acordo firmado pelos Estados Unidos e a China no dia 12 deste mês, segundo o qual os dois maiores emissores de gases efeito estufa do mundo prometeram reduzir sua pegada de carbono.

Por marcar uma ruptura no longo impasse entre os dois países sobre o tema, muitos analistas acreditam que a investida poderá ajudar a pressionar a reunião climática de Lima rumo a um acordo global de redução de emissões, a ser definido em dezembro de 2015, na COP21 em Paris, para substituir o Protocolo de Quioto.

Segundo especialistas consultados por EXAME.com, por si só, o acordo bipartite não resolve o problema. Tampouco é suficientemente ambicioso. Faltam ações mais enérgicas por parte dos países industrializados e um maior comprometimento das nações emergentes, como Índia e Brasil.

É a vontade conjunta em frear a alta no termômetro e evitar interferências perigosas no clima que deveria mover a reunião que ocorre em Lima até o dia 12 de dezembro. Afinal, é o futuro do planeta (e o nosso) que está em jogo.

Veja a seguir, os 3 pontos centrais que estão em pauta na COP 20.

1. LANÇAR AS BASES DE UM NOVO ACORDO GLOBAL

O principal ponto da reunião de Lima é lançar as bases para uma novo acordo global, a entrar em vigor em 2020, que vai substituir o Protocolo de Kyoto, de 1997. O objetivo final de ambos os tratados é estabilizar as concentrações de gases de efeito estufa na atmosfera num nível que impeça a interferência humana perigosa no sistema climático.

A ideia é que países altamente industrializados e países em processo de transição para uma economia de mercado adotem compromissos juridicamente vinculantes para limitar e reduzir as emissões.

Concretizar esse objetivo com a participação das duas maiores potências "econômicas e poluidoras" é a parte difícil.

Os Estados Unidos estão pressionando por um acordo que evitaria a fixação de metas de redução de emissões que sejam juridicamente vinculativas nos termos do direito internacional, porque isso poderia criar um confronto com o Congresso, que é majoritariamente republicano.

Por sua vez, a China, responsável pela maior emissão de gases efeito estufa do mundo, sinalizou que os países desenvolvidos devem “desempenhar um papel motriz nas negociações sobre o clima”, negando-se a assumir esta responsabilidade.

A reunião de Lima também é uma oportunidade para os países adotarem ações mais ambiciosas para reduzir emissões no curto prazo.

2. AUMENTAR A RESILIÊNCIA ÀS MUDANÇAS CLIMÁTICAS

Como os impactos das mudanças climáticas afetam, principalmente, os pobres e mais vulneráveis, os governos precisam urgentemente investir na adaptação às alterações climáticas. Em essência, resiliência, aqui, significa a capacidade de adaptar com facilidade às intempéries do clima.

Exemplos incluem o aumento da resistência do setor agrícola à seca e redução dos riscos de inundação através da melhoria dos sistemas de armazenamento e da infraestrutura de drenagem urbana.

Na Conferência, serão abordados os chamados Planos Nacionais de Adaptação (PNAs), que reúnem as propostas de adaptação dos países em desenvolvimento em áreas diversas, do transporte à logística, passando pela energia e segurança alimentar, até a proteção de zonas costeiras, indústrias, saúde, entre outras.

3. QUEM VAI PAGAR A CONTA?

A adaptação às mudanças climáticas tem um preço. Por isso, outro objetivo da COP20 será o de identificar formas de acelerar o financiamento para a implementação desses projetos. Os governos vão trabalhar para expandir e coordenar o financiamento do clima e os vários fundos existentes.

Dentre eles, o mais importante é o Fundo Verde para o Clima. A proposta, que surgiu em 2010, durante a COP16 no México, pretende gerar um caixa de US$ 100 bilhões por ano até 2020, a partir de doações de entes públicos e privados dos países desenvolvidos. Mas está bem longe da meta original. Até agora, o fundo só arrecadou US$ 9.7 bilhões (R$ 6,2 bilhões) de 22 países.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também