Campos Neto: 'Real digital está avançando, em breve teremos novidades'

Presidente do Banco Central fala sobre moeda digital nacional em evento espanhol e convoca instituições de outros países a avançar no tema das CBDCs
 (Raphael Ribeiro/BCB/Divulgação)
(Raphael Ribeiro/BCB/Divulgação)
G
Gabriel Rubinsteinn, com informações da Reuters

Publicado em 15/04/2021 às 10:30.

Última atualização em 15/04/2021 às 10:31.

O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, afirmou, em um debate online promovido pelo Banco da Espanha no início da semana, que o projeto de criação do real digital "está avançando".

Na conversa, divulgada pela Reuters, Campos Neto convocou bancos centrais do mundo todo a discutir o desenvolvimento de CBDCs, já que muitos projetos têm características em comum, e a aprofundar as conversas para acelerar a digitalização da economia: "Estamos fazendo grandes progressos no projeto de moeda digital, e devemos ter novidades em breve".

O presidente do BC, entretanto, não especificou os detalhes sobre quais seriam os progressos em relação à CBDC brasileira. Apesar disso, ele destacou que alguns temas ainda estão em aberto, como a definição sobre qual tecnologia irá sustentar o real digital, como blockchain ou outro sistema.

O Banco Central estuda a emissão de uma CBDC já há alguns anos, mas em 2020 criou um grupo de estudos específico ao tema para acelerar o processo e avaliar os potenciais benefícios e os impactos da emissão do real digital.

Os estudos incluem temas como riscos de cibersegurança, proteção de dados e regulação, abordagens necessárias para avaliar como uma moeda digital poderia afetar questões ligadas à inclusão financeira e políticas econômicas.

Apesar do aumento considerável no uso de métodos de pagamento eletrônicos após o lançamento do Pix em novembro do ano passado, o uso de dinheiro físico ainda é o mais comum no país, o que gera custos e problemas como a desbancarização.

Campos Neto tem falado bastante sobre o projeto do real digital e, em 2020, chegou a dizer que a CBDC nacional poderia até "substituir a moeda física". O Brasil, apesar dos avanços, ainda está distante de outros países na busca por uma moeda digital. A China já tem seu iuane digital em fases finais de teste, enquanto a Suécia também tem projeto avançado. Recentemente, Japão e Rússia também anunciaram testes com suas CBDCs.